Mais de 70% dos concelhos portugueses em risco extremo

Dos 308 concelhos do país, 219 continuam em risco extremo, apenas Velas, nos Açores, não tem casos de infeção. Seixal e Lisboa foram dos que cresceram mais em termos de infeção por 100 mil habitantes.

Mais de 70% dos 308 concelhos portugueses estão em risco extremo devido ao número de casos de covid-19, tendo registado uma taxa de incidência acumulada superior a 960 por 100 mil habitantes, entre 20 de janeiro e 2 de fevereiro, segundo dados oficiais.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado nesta segunda-feira, estão neste patamar 219 dos 308 concelhos portugueses (71,1%), ou seja, menos 15 em relação à análise divulgada a 25 de janeiro. Um dos concelhos onde se registou maior subida por 100 mil habitantes foi no Seixal, onde nestas duas últimas semanas, o número de casos passou de 1732 para 2086 por 100 mil habitantes. Lisboa também passou de 1965 casos para 2123 por 100 habitantes.

Neste momento, a incidência por 100 mil habitantes só aumentou em quatro capitais de distrito, Setúbal, Coimbra, Bragança e Lisboa. Portalegre e Porto, com 861 e 928 casos por 100 mil, respetivamente, são as duas capitais com menor incidência. A maior descida registou-se em Castelo Branco que baixou de 1777 para 1439 casos por 100 mil habitantes. O único concelho com zero casos é Velas, no arquipélago dos Açores. Apenas 89 concelhos de um total de 308 não estão em risco extremo.

Nesta segunda-feira, Portugal contabilizou 2505 casos de infeção e 196 mortos, os números mais baixos de casos, desde o dia 3 de janeiro, e de óbitos, desde o dia 18 do mesmo mês.

Na nota explicativa dos dados por concelhos é referido que a incidência cumulativa "corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e a população residente estimada".

Veja aqui a situação de todos os concelhos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG