Incidência e internamentos a subir em dia com 49 mortes

Há agora 2469 pessoas internadas devido à covid-19 (mais 72), segundo os dados atualizados da DGS. Boletim diário indica 27 916 novos casos de infeção, aumento na incidência e um recuo no índice de transmissibilidade R(t).

Foram confirmados, nas últimas 24 horas, 27 916 novos casos de covid-19, de acordo com os dados atualizados do boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O relatório desta segunda-feira (31 de janeiro) indica ainda que morreram mais 49 pessoas devido à infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2.

No que se refere à situação nos hospitais portugueses, o boletim diário dá conta de 2469 internados (mais 72 face ao reportado no domingo). Mantêm-se 160 doentes em unidades de cuidados intensivos. Há, contudo, a registar mais 39 596 casos de pessoas que recuperaram da doença, num total de 2 033 747 recuperados.

Em dia de atualização da matriz de risco, a taxa de incidência a 14 dias é agora de 6836,6 casos de covid-19 por 100 mil habitantes (era de 6130,9) em todo o território nacional. No continente, este indicador situa-se nas 6848,7 infeções por 100 mil habitantes (era de 6108,7).

O índice de transmissibilidade, R(t), situa-se em 1,13 a nível nacional e 1,14 em território continental (antes era de 1,16 e 1,17, respetivamente).

O Norte mantém-se como a região com o maior número de novos casos (14 536), seguida de Lisboa e Vale do Tejo, com 7038 infeções.

Verificam-se ainda mais 3362 casos no Centro, 983 no Algarve, 662 no Alentejo, 798 nos Açores e 537 na Madeira.

Das 49 mortes declaradas no boletim desta segunda-feira, 24 foram registadas no Norte, 11 em Lisboa e Vale do Tejo, oito no Centro, quatro no Algarve, uma no Alentejo e uma na Madeira.

Perante esta atualização, o país contabiliza, ao dia de hoje, 586 150 casos ativos de infeção (menos 11 729 face ao dia anterior).

Desde o início da pandemia, em março de 2020, Portugal registou 2 639 802 diagnósticos de covid-19 e 19 905 óbitos.

Relatório da DGS indica ainda que há mais 8578 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde, num total de 633 177.

Terceiro país da UE com mais novos casos diários

Portugal passou esta semana a ser o terceiro país da União Europeia com mais novos casos diários de infeção por SARS-CoV-2 e passou de quinto para quarto no mundo, segundo o site estatístico Our World in Data.

De acordo com os dados atualizados à data desta segunda-feira, o estado-membro com maior média de novos contágios por milhão de habitantes a sete dias é a Dinamarca, com 7760, seguida da Eslovénia (6790) enquanto Portugal está com uma média de 5480 casos, quando na segunda-feira passada estava com 4730.

A nível mundial neste indicador, e considerando apenas os países e territórios com mais de um milhão de habitantes, no topo da lista encontra-se Israel, com uma média diária de 9500 novos casos, seguido da Dinamarca, Eslovénia e Portugal.

Quanto à média de mortes diárias atribuídas à covid-19, subiu esta semana em Portugal de 3,7 para 04, ligeiramente acima da média europeia, que esta semana subiu de 3,7 para 3,9.

Certificado de vacinação da UE com validade de nove meses a partir de terça-feira

O Certificado Digital Covid-19 da União Europeia (UE) tem, a partir de terça-feira, uma validade oficial de nove meses para a vacinação, no contexto de viagens dentro do espaço comunitário, devendo também incluir informação sobre doses de reforço.

Conforme proposto pela Comissão Europeia e acordado pelos Estados-membros da UE no Conselho, "a partir de amanhã [terça-feira] começam a aplicar-se as novas regras sobre um período padrão de aceitação de 270 dias para os Certificados Digitais Covid-19 da UE, na vertente da vacinação, utilizados para viagens dentro da UE", relembra o executivo comunitário em comunicado.

Assim, "os Estados-membros devem aceitar certificados de vacinação por um período de 270 dias - nove meses - desde a conclusão da série de vacinação primária", ou seja, após a segunda vacina de duas doses ou de uma no caso de dose única, explica a instituição, lembrando que os países não devem adotar prazos diferentes para fins de viagem dentro da UE.

Estas regras não se aplicam aos certificados relativos à vacina de reforço.

Ainda assim, os Certificados Digitais Covid-19 da UE devem oficialmente incluir a partir de terça-feira a informação sobre essas doses adicionais, que estão a ser administradas à população adulta da UE em vários países europeus.

A vacina de reforço deve ficar registada como 3/3 no caso de uma série primária de duas doses ou 2/1 no caso de uma dose única, segundo as regras comunitárias em vigor desde dezembro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG