Licor de Póvoa de Lanhoso conquista prémios internacionais

O licor é feito com várias frutas e especiarias e é "enriquecido" com mel puro e flocos de ouro e prata comestíveis

Um licor "made in" Póvoa de Lanhoso, que mistura várias frutas e especiarias com flocos de ouro e prata comestíveis, já somou este ano três prémios internacionais e já está a ser exportado, informou esta segunda-feira a responsável pela produção.

Natália Pereira disse à Lusa que o mais recente prémio do "Likoris" foi uma Medalha de Bronze em Londres, no The International Wine and Spirit Competition (IWSC), que classificou como "um dos concursos com mais prestígio do mundo" da categoria.

"É um produto único e inovador, que entrou muito bem no mercado gourmet nacional e que também já está a chegar a alguns país da Europa", acrescentou.

Segundo Natália Pereira, aquele licor é feito com várias frutas e especiarias e é "enriquecido" com mel puro e flocos de ouro e prata comestíveis.

Tem apenas 18 por cento de álcool e não possui qualquer ingrediente alergénio.

Em setembro, foi distinguido no Reino Unido com uma Estrela no concurso Great Taste Awards.

No primeiro trimestre do ano, recebeu a medalha de prata no concurso ProSpirit -- Premium Select Spirits International 2016, promovido pela Selection Das Genussmagazin, na Alemanha.

Além disso, alcançou ainda 91 pontos, numa escala de 1 a 100, numa prova cega feita pelo especialista Andreas Larsson, arrecadando o 4.º lugar no seu Ranking Top Licor Spirits.

O Likoris foi lançado há um ano e nasceu do gosto pelas experiências sensoriais da enóloga Natália Pereira.

É produzido na fábrica que abriu há dois anos em Póvoa de Lanhoso, de onde também saem para o mercado mel com ouro, chocolate de licor de ouro e prata, azeite biológico, cerveja artesanal e compotas biológicas.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.