Vírus do Nilo causa morte a cavalo em Loulé mas risco para humanos é "baixo"

Não há casos em humanos desde o ano passado

O vírus do Nilo ocidental esteve na origem da morte de um equídeo no final de agosto, no concelho de Loulé (Algarve), mas as autoridades regionais de saúde pública consideram que o risco de infeção em humanos é "baixo".

A Direção-Geral de Veterinária revelou que o caso foi registado a 26 de agosto e que "o animal infetado morreu com uma encefalite pelo West Nile Virus [designação em inglês do vírus do Nilo Ocidental]".

A delegada regional de Saúde Pública do Algarve, Ana Cristina Guerreiro, recordou à agência Lusa que os primeiros casos de infeção por vírus do Nilo na região surgiram em 2004, em "dois turistas observadores de pássaros que fizeram diagnóstico no país de origem".

"Depois foi identificado que teriam sido infetados por mosquitos na região" algarvia, mas "desde então não houve mais casos em humanos, até ao ano passado, quando houve um", explicou.

Ana Cristina Guerreiro sublinhou que as autoridades de saúde tiveram sempre em curso "o programa REVIVE, que é um programa de monitorização dos vetores, em que se fazem colheitas de mosquitos e carraças", e, depois do caso do ano passado, realizaram "algum trabalho suplementar".

"Este ano, quando tivemos conhecimento do caso no equídeo, fizemos a máquina disparar mais cedo, contactámos a Câmara e a empresa Águas do Algarve para implementarem medidas de diminuição da população vetorial, aplicando larvicida nas zonas da periferia de Loulé em que identificámos alguns pontos com águas paradas e com algumas larvas", adiantou a delegada regional de Saúde.

A responsável disse que foram também contactados "os médicos dos vários serviços de urgência e de infetocontagiosas para os sensibilizar para o diagnóstico, porque sendo uma doença rara, as pessoas podem não estar despertas para ela".

Porém, frisou, "não houve conhecimento de casos em humanos" e o risco de infeção de pessoas é "baixo" porque "há baixa atividade vetorial e poucos mosquitos" devido ao vento e tempo seco.

A delegada regional disse ainda tratar-se de um "caso isolado" que pode ter tido origem "num mosquito contaminado por uma ave de passagem e que depois fez a infeção ao cavalo, mais fácil de acontecer do que a infeção em humanos".

Numa resposta enviada à Lusa, a Direção-Geral de Veterinária explicou que "existem muitas espécies animais que são suscetíveis de ser infetadas" pelo vírus do Nilo ocidental, "incluindo outros equídeos e outros mamíferos, corvídeos, galináceos", e referiu que "o vírus é transmitido por picadas de mosquitos do género 'Culex'", pelo que "todas as medidas para evitar as picadas destes mosquitos terão efeito positivo na prevenção do contágio, seja qual for a espécie em causa".

A Direção-Geral de Veterinária aconselhou a "evitar a frequência de zonas próximas de águas estagnadas, nomeadamente Estações de Tratamento de Águas Residuais ou áreas pantanosas, depósitos de pneus abandonados, jarras de cemitérios e jardineiras de vasos de plantas".

É recomendando ainda à população em geral o uso de "repelentes de insetos ou sistemas elétricos para afastar mosquitos" e a adoção de "medidas de higiene ambiental que permitam eliminar águas estagnadas".

O presidente da Câmara de Loulé, Vítor Aleixo, disse à Lusa que foi contactado na semana passada pelo Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Algarve Central no sentido de a autarquia adotar "medidas de reforço" e aplicar um larvicida em linhas de água do concelho, trabalho "feito em cerca de uma hora".

O vírus do Nilo não se transmite de pessoa para pessoa, podendo, em 20% das infeções, provocar doença febril com manifestações clínicas ligeiras, que raramente pode evoluir para meningite viral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.