Viaduto de Alcântara terá pórticos para evitar circulação de pesados

Veículos pesados já estão proibidos de circular no viaduto, mas continuam a fazê-lo, garante vereador

O viaduto de Alcântara, no qual a circulação se encontra encerrada num sentido depois de um desvio num dos pilares, terá pórticos para evitar a circulação de veículos pesados, anunciou hoje a Câmara de Lisboa.

A 22 de março registou-se um desvio num dos pilares do Viaduto de Alcântara - que liga a Avenida de Ceuta às Docas, passando por cima das avenidas da Índia e Brasília -, que provocou condicionamentos de trânsito automóvel e ferroviário no local.

A Câmara de Lisboa aponta uma "travagem de um veículo" como a causa provável para o incidente.

Embora na Avenida da Índia a circulação rodoviária e ferroviária já ocorra com normalidade debaixo do viaduto, o tabuleiro continua encerrado no sentido Avenida de Ceuta - porto de Lisboa.

Numa conferência de imprensa que decorreu hoje nos Paços do Concelho, o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, informou que "vão ser instalados dois pórticos no sentido de garantir a circulação apenas de ligeiros, e não de pesados" no tabuleiro do viaduto.

Ou seja, "veículos com mais de 2,25 metros não poderão circular" em cima do viaduto de Alcântara, explicou.

"Desde 2005 que está proibida a circulação de veículos pesados de carga em cima do tabuleiro, mas circulam", apontou Manuel Salgado.

Referindo que "acidentes destes podem sempre surgir", o autarca do executivo municipal de maioria socialista salientou que "as regras de trânsito são para ser cumpridas", e que esta medida serve para o município "ter a certeza que a situação não se repete".

Questionado quanto à reabertura total da circulação do viaduto, Manuel Salgado afirmou que "o mais tardar em meados de maio o viaduto poderá abrir".

Após uma primeira consolidação do pilar afetado, "foi decidido elaborar um projeto de consolidação com caráter definitivo, que tivesse em conta novas deficiências", identificadas através de "uma nova inspeção especial a todas as peças do viaduto".

Apontando que esta "vistoria especial" já aconteceu, o vereador do executivo municipal advogou que "vai ser dado, de imediato, início a trabalhos complementares de manutenção que não implicam grandes alterações".

O projeto para esta reabilitação "já foi recebido ontem [quarta-feira] na Câmara", acrescentou.

Quanto aos trabalhos já realizados, Manuel Salgado apontou que rondam os "300 mil euros".

Questionado sobre o facto de este viaduto ser uma estrutura provisória com mais de 40 anos, o vereador afirmou que "todos os relatórios indiciam o seu envelhecimento progressivo", estando "a ser avaliado um novo viaduto".

Esta estrutura, que nasceu como uma solução provisória no início da década de 70, foi reabilitada em 2005, quando Pedro Santana Lopes (PSD) era presidente da Câmara Municipal.

Os trabalhos, orçados em 1,5 milhões de euros, incluíram a colocação de piso antiderrapante, o reforço das estruturas com chapas metálicas e a beneficiação geral da infraestrutura.

A intervenção foi realizada na sequência de um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), segundo o qual o viaduto "não oferecia segurança para a circulação rodoviária de pesados".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.