Ver a história da PJ no Porto através das peças de museu

A dedicação dos funcionários da polícia permite reunir no núcleo museológico o espólio que retrata a evolução da PJ e do crime

O ponto de partida é 1947, data em que a Polícia Judiciária (PJ), oficialmente assim denominada dois anos antes, passou a ter uma diretoria no Porto. Hoje, graças ao empenho de funcionários e investigadores ao longo dos anos, está reunido no núcleo museológico um grande espólio de objetos apreendidos, desde armas a arte falsificada, e de equipamentos utilizados que ao longo das seis décadas contam a evolução desta força de investigação criminal no Norte.

O espaço fica no interior do edifício da diretoria no Porto, entre a antiga sede numa moradia com frente na Rua Pereira Reis e nas novas instalações anexas na Rua Assis Vaz. Aqui situa-se o núcleo museológico por excelência, com a casa a acolher as obras de arte, por uma necessidade de espaço.
No núcleo museológico, encontramos tudo ordenado de forma a contar a história da PJ no Porto. Passando a porta, o visitante fica a saber que a PJ começou no Aljube, passou depois para São Bento da Vitória, até chegar ao atual edifício. Uma fotografia evidencia bem as diferenças do arranque para a atualidade: exibe o primeiro carro e o primeiro motorista.

Os crachás ao longo dos tempos ou os cartões de transporte para circular nos autocarros e elétricos estão patentes. Depois chegam muitos dos primeiros equipamentos, com a fotografia em destaque. As Nikkonmet e as Pentax foram investimentos preciosos na época.

Ali se veem também as cabeleiras e os bigodes postiços usados pelos investigadores, tal como janelas de vigia que se adaptavam a casas ou veículos. "Tudo isto era muito usado", comenta Arnaldo Silva, atual coordenador na PJ e um elemento com décadas ao serviço da diretoria do Norte.

Hoje estes instrumentos estão quase obsoletos, como muitas lupas estereoscópicas, balanças de precisão ou o primeiro microscópio para análise de documentos. Mas foram muitos úteis e foram substituídos por outros mais eficientes. "As impressões digitais ainda hoje têm um grande investimento", garante Arnaldo Silva.

Mais uma vitrina e aparecem as malas com reagentes para levar para os locais do crime. Hoje o cenário é mais CSI com os fatos brancos dos técnicos especializados. "A partir do final da década de 1980 assiste-se a uma mudança radical", conta o coordenador de investigação criminal. "É aí que surgem os primeiros técnicos especialistas."

O mundo de objetos usados para descobrir os autores de crimes ou para os deter é vasto. Há os megafones das rusgas, os primeiros equipamentos de escutas que funcionavam em direto, até ao arquivo de queixas e ao livro de registo de apreensões. "Apreendia-se tudo, desde bicicletas a animais", recorda Arnaldo Silva. Num registo de 1967, um caso teve a apreensão de uma galinha, dois coelhos, um martelo e duas panelas.

Mas nos anos 1980 a PJ começou a mudar porque o mundo também mudava. Compraram os primeiros computadores Olivetti e o tráfico de droga passou a ser um espaço especial de combate ao crime. Neste núcleo podemos ver os primeiros objetos a ser apreendidos por serem usados para esconder estupefacientes, como livros, um jogo de xadrez ou mesmo um pião de brincar. "Hoje conservamos apenas os que são novos, que revelam novos modus operandi."

Como as armas são uma componente do crime, a secção de armamento tem forte representação. Das armas usadas pelos inspetores (está exposta a arma automática usada pelo inspetor João Melo, morto a tiro em 2001 durante a detenção de um gangue), às apreendidas a criminosos, com destaque para um caso de 2009 em que foi detido um comerciante com um enorme arsenal de guerra. "Foi o maior número de armas proibidas apreendidas de uma só vez", realça Vítor Teixeira, da secção de Armamento e Tiro. "Temos aqui armas muito antigas e algumas bastante raras", esclarece o especialista que já colaborou numa tese de mestrado na Faculdade de Engenharia, com a respetiva arma usada para o trabalho académico a estar exposta no núcleo da PJ. Ao lado estão vários tipos de armas dissimuladas em canetas ou isqueiros. E armas apreendidas a elementos das FP-25 que se dedicaram a cometer assaltos a bancos.

Saltando deste espaço museológico no novo edifício para a contígua antiga sede, o visitante depara-se com dezenas de obras de arte, sobretudo pintura. Na divisão moderna estão exemplos de arte sacra apreendida e nunca reclamada. Aqui o cenário é mais a falsificação, com supostos quadros de Picasso, Cargaleiro, José Malhoa ou Vieira da Silva. "Muitos são cópias, outros são apenas pinturas ou desenhos que são atribuídos a pintores", explica Arnaldo Silva.

Para o diretor da PJ do Norte, é um orgulho este núcleo. "Havia uma sala onde se concentraram os objetos e havia que expô-los, fazer um núcleo museológico. Mas não era prioritário e não havia dinheiro", disse ao DN Batista Romão. "Foi um trabalho com a prata da casa." O objetivo é, em 2017, "abrir a estudantes da área da Criminologia e de Direito". Por razões de segurança, o edifício da PJ não pode ser aberto ao público em geral. Batista Romão, o mais recente de 23 diretores da PJ do Porto, diz que este núcleo é também uma forma de "mostrar aos funcionários mais novos como foi a história da PJ e como ela evoluiu."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.