Vale e Azevedo saiu hoje da prisão para três dias de licença precária

Ex-presidente do Benfica cumpre uma pena de prisão de 11 anos e meio

O ex-presidente do Benfica João Vale e Azevedo, que cumpre pena de prisão no Estabelecimento Prisional da Carregueira (Sintra), teve hoje uma primeira saída precária, de três dias, disse à agência Lusa a advogada.

Sem adiantar as razões, a advogada Luísa Cruz explicou que esta é a primeira saída precária de Vale e Azevedo, que cumpre pena de prisão na Carregueira no âmbito de um cúmulo jurídico de 11 anos e meio.

O ex-presidente do Benfica terá que ser libertado a 7 de junho, quando estiver cumprida quase na totalidade a pena de prisão, disse.

Vale e Azevedo cumpre pena ao abrigo da extradição para Portugal. O cúmulo jurídico de 11 anos e meio foi fixado com as condenações nos processos Ovchinnikov, Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria, por crimes de burla, entre outros ilícitos de natureza económica e financeira.

O ex-presidente do Benfica chegou a Lisboa a 12 de novembro de 2012 após as autoridades britânicas terem permitido a sua extradição, aceitando o mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades judiciárias portuguesas.

Em outubro passado, o Tribunal da Relação de Lisboa indeferiu um recurso de liberdade condicional do ex-presidente do Benfica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.