Urban Beach: PSD e CDS-PP da Assembleia Municipal de Lisboa requerem reuniões urgentes e extraordinárias

As autoridades encerraram esta madrugada a discoteca Urban Beach, em Lisboa, depois de um episódio de agressões a jovens, por seguranças, junto às instalações daquele estabelecimento

O PSD e o CDS-PP da Assembleia Municipal de Lisboa requereram o agendamento de reuniões urgentes e extraordinárias para debater os recentes acontecimentos de insegurança e violência noturna na capital, nomeadamente à porta da discoteca Urban Beach.

O líder de bancada do PSD da Assembleia Municipal de Lisboa, Luís Newton, solicitou à presidente deste órgão autárquico, Helena Roseta, ainda na noite de quinta-feira, o agendamento de "um debate urgente" para analisar as situações de insegurança noturna na cidade e propor a implementação de soluções que impeçam a repetição das mesmas.

"A comunidade que queremos em Lisboa não pode continuar a ser construída na indiferença do poder político e na insegurança. Estas situações não podem, nem devem, constituírem-se como fatalidades na diversão noturna", advogou Luís Newton, em comunicado.

Além de um debate na Assembleia Municipal de Lisboa, o social-democrata pediu o agendamento de "uma reunião com caráter de urgência com o presidente da Associação das Discotecas de Lisboa", de forma a analisar a situação e compreender que medidas podem ser implementadas para evitar estas e outras situações.

Neste âmbito, o presidente do grupo municipal do CDS-PP, Diogo Moura, propôs "a convocação de reunião extraordinária do Conselho Municipal de Segurança de Lisboa", defendendo que este é o fórum específico de debate desta matéria, já que o regulamento desta estrutura consultiva é da competência da Assembleia Municipal.

Na perspetiva do centrista Diogo Moura, "os episódios de grande violência em Lisboa, em particular no período noturno e junto de espaços e estabelecimentos de animação noturna, têm vindo a aumentar nos últimos anos, atingindo proporções preocupantes e causando alarme social".

"Zonas como Santos e Cais Sodré são pontos negros desta problemática, devido a atos de violência, agressões, assaltos e mortes", avançou o presidente do grupo municipal do CDS-PP, em comunicado.

As autoridades encerraram hoje de madrugada a discoteca Urban Beach, em Lisboa, depois de um episódio de agressões a jovens, por seguranças, junto às instalações daquele estabelecimento de diversão noturna, na madrugada de 01 de novembro.

O caso tornou-se público depois de ter começado a circular nas redes sociais um vídeo em que é possível ver alegados seguranças do clube noturno a agredirem violentamente dois homens, que aparentavam estar indefesos e não demonstravam resistência.

Segundo a PSP, um dos seguranças envolvidos foi detido e os restantes, já identificados, estão a ser procurados.

A procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, prometeu uma investigação rápida. O Urban Beach disse que iria colaborar com as investigações e a empresa responsável pela segurança do clube, a PSG -- Segurança Privada, S.A., afirmou que vai tomar todas as diligências para punir os responsáveis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.