Universidade do Porto inaugura "superlaboratório" i3S

O i3S assume-se como o maior instituto de investigação português na área das Ciências da Saúde e conta com mais de 1000 colaboradores

O Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), com 51 grupos de investigação, 126 projetos em curso ou a iniciar e um orçamento anual de 20 milhões de euros, é inaugurado na quinta-feira.

De acordo com a Universidade do Porto (U.Porto), o novo "superlaboratório" foi a unidade científica que garantiu o maior valor de financiamento anual na mais recente avaliação ao sistema científico nacional realizada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia -- 6,19 milhões de euros -- e uma das 11 unidades a receber a classificação máxima de Excecional.

Resultando da união de três dos mais conceituados centros científicos da Universidade do Porto -- o Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC), o Instituto Nacional de Engenharia Biomédica (INEB) e o Instituto de Patologia e Imunologia Molecular (Ipatimup) --, o i3S assume-se como o maior instituto de investigação português na área das Ciências da Saúde.

O i3S de investigação agrega mais de 1000 colaboradores, 800 dos quais cientistas dedicados ao desenvolvimento de respostas aos maiores desafios da saúde da atualidade: Cancro, Neurobiologia e Doenças Neurológicas e Interação e Resposta do Hospedeiro.

Para albergar este novo "superlaboratório", a Universidade do Porto construiu de raiz, no polo universitário da Asprela, um novo edifício de 18 mil metros quadrados, uma empreitada orçada em 21,5 milhões de euros, financiada em 18 milhões por fundos comunitários no âmbito do Programa Operacional Regional do Norte, o "ON.2 -- O Novo Norte".

Totalmente dedicado a laboratórios e serviços de investigação, o novo espaço tem ligação direta com o antigo edifício do IPATIMUP, agora reconvertido para salas de aulas de pós-graduações, auditórios e serviços administrativos do i3S.

A construção do novo edifício teve início em 2013, com o lançamento oficial da primeira pedra a 04 de abril desse ano, tendo ficado concluída com a instalação de todos os grupos de investigação em dezembro de 2015.

Contudo, a criação do i3S começou a tomar forma já em 2003, com a instituição do protocolo de cooperação entre IBMC, INEB e Ipatimup, e transformou-se em realidade a 28 de janeiro de 2008, quando os diretores daqueles três centros assinaram o protocolo de estabelecimento do consórcio perante uma plateia onde pontuavam o primeiro-ministro e o ministro da Ciência da altura, José Sócrates e Mariano Gago.

O edifício-sede do i3S é oficialmente inaugurado com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do primeiro-ministro, António Costa, e dos ministros da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Saúde.

No final da cerimónia de inauguração realiza-se uma homenagem a Mariano Gago e a Corino de Andrade, com a atribuição dos nomes destes cientistas aos dois auditórios existentes no complexo do i3S.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.