Uma peregrinação de quatro dias e 150 quilómetros... a cavalo

Romaria entre a Moita e Viana do Alentejo partiu hoje de manhã e termina no domingo com missa campal no Santuário de Nossa Senhora d"Aires.

"Quem cavalga por gosto não cansa. Faça chuva ou faça sol". Miguel Fadista transmitia assim o estado de espírito dos mais de 300 cavaleiros que esta manhã partiram da Moita em direção a Viana do Alentejo, traduzindo uma singular cavalgada pelos trilhos campestres da Canada Real (antiga estrada dos espanhóis) ao longo de cerca de 150 quilómetros. É a 16ª edição da Romaria a Cavalo.
Quem espreitar o desfile pela paisagem pode ser tentado a comparar e a aventura a uma espécie de western, com direito a dormir e comer no campo entre charretes e cavalos. Mas a romaria é "muito mais do que isso", explicava Carlos Ramos, que participa pela terceira vez, sempre com um cavalo diferente, aludindo à tradição e à fé que move os romeiros.
À frente segue o carro-andor, que tem a responsabilidade de transportar a padroeira "Senhora da Boa Viagem", que faz o percurso de costas para olhar de frente para os "seus" romeiros.
Esta manhã a população da Moita voltou a sair à rua para se despedir dos cavaleiros e assistir ao desfile equestre com cavalos, charretes e carroças para todos os gostos. Os meus filhos vêm ali. São aqueles dois cavalos pretos, está a ver? Que pena, não trouxeram o traje vestido", lamentava de câmara fotográfica em riste Miquelina Simões, recebendo a garantia da filha de que na chegada a Viana do Alentejo, agendada para sábado á tarde, seria diferente. "Vestimos só na última etapa para estar bonito (risos)", garantia a jovem do alto do imponente cavalo, convencendo a mãe a deslocar-se ao Alentejo para assistir. "É uma boa oportunidade para ir a Viana, já que nunca fui", admitia ao DN.
E talvez até fique para domingo assistir à missa campal, em pleno Santuário de Nossa Senhora d"Aires, entre as terras agrícolas da região, sendo local de culto desde 1748, construído após uma epidemia que grassou na região. A tradição secular diz que os agricultores se deslocavam ali anualmente acompanhados pelos seus animais para benzerem o gado durante a procissão em Honra de Nossa Senhora d" Aires, a padroeira dos animais, aproveitando para pedirem boas colheitas.
O ritual seria interrompido há 70 anos, perante a queda da atividade agrícola que conduziu ao abandono da terra, mas seria retomado em 2001.


Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.