Nem a massagem cardíaca salvou o jacaré "bom rapaz"

Visitante filmou o momento em que a equipa médica tentou salvar o adorado animal

O mais idoso jacaré do Zoológico e Aquário de Columbus, nos Estados Unidos, morreu este sábado, dia 9 de julho, na sequência de uma paragem cardíaca.

Um visitante registou o momento da chegada da equipa médica ao local e da tentativa de reanimação do animal. Os veterinários colocaram o jacaré de lado para lhe fazerem uma massagem cardíaca, mas os primeiros socorros não foram suficientes.

O jacaré "bom rapaz" tinha 28 anos, uma "inteligência surpreendente" e a capacidade pouco convencional de captar o amor de todos os visitantes. Nas últimas semanas, o seu estado de saúde havia-se debilitado, estando os veterinários, por isso, em alerta. Não foram capazes de o manter vivo, mas os fãs do bom rapaz têm mantido pelo menos a sua memória bem presente.

"É com o coração pesado que nos despedimos do nosso jacaré macho", anunciaram os responsáveis na sua página de Facebook. "[Há várias semanas] que estava sob vigilância veterinária [devido a uma dificuldade] respiratória. Apesar dos melhores esforços da nossa equipa, a sua condição continuou a piorar e ele morreu [de paragem cardíaca]", explicam.

Na mesma publicação, o Zoológico Columbus pede aos fãs do "bom rapaz" que partilhem os seus momentos preferidos com o animal. O convite foi prontamente aceite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.