Asteroide irá passar perto da terra na próxima semana

Os cálculos da órbita de asteroides são constantemente atualizados com base em observações

Um pequeno asteroide vai passar perto da Terra na próxima terça-feira, 8 de março. Segundo a NASA, a nova órbita do asteroide 2013 TX68, indica que irá passar a cerca de 5 milhões de km da Terra. O asteroide terá cerca de 30 metros, mas não será uma ameaça pois nunca se aproximará mais do que de 24 mil km, segundo os cientistas.

O asteroide foi descoberto no dia 6 de outubro de 2013 pelo projeto Catalina Sky Survey, financiado pela agência espacial norte-americana (NASA), e passou pela Terra alguns dias depois, a uma distância confortável de dois milhões de quilómetros.

Estimativas anteriores indicavam que o asteroide iria voltar a passar perto da Terra no dia 5 de março a cerca de 14 milhões de km, no máximo 17 mil km.

O asteroide 2013 TX68 dá uma volta ao Sol a cada 780 dias

As observações a partir das imagens tiradas do arquivo de asteroides da Pan - STARRS, financiada pela NASA, permitiu aos cientistas do NASA'S Center for Near-Earth Object Studies (CNEOS), rever as informações recolhidas anteriormente sobre a órbita e distância do objeto celeste.

"Nós já sabíamos que o asteroide 2013 TX68 iria passar pacificamente pela Terra no início de março, mas estes dados adicionais permitem-nos ter um melhor controlo sobre a sua órbita", disse Paul Chodas, da CNEOS.

Os cálculos da órbita de asteroides são constantemente atualizados com base em observações relatadas à Minor Planet Center. Ao longo do tempo, com as informações adicionais obtidas os cientistas são capazes de aperfeiçoar e reduzir as incertezas sobre distância e órbita.

Para atualizações regulares sobre asteroides, a NASA tem uma lista dos próximos cinco corpos celestes a passar perto da Terra, que está interligada com o site da CNEOS que possui uma lista atualizada de todas as aproximações de asteroides recentes e futuras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.