Um Natal a fazer 'trekking' no Nepal ou a festejar no Brasil

Viajar pelo mundo e passar o Natal no Nepal ou então estar com a família no Brasil. Eis duas formas diferentes de festejar o Natal

Festejar com dois amigos

Há três meses, Tânia Neves, 33 anos, saiu de Lisboa para viajar sozinha pelo mundo. "Queria viajar, conhecer, conhecer-me a mim própria", conta ao DN a fotógrafa, numa conversa telefónica a partir de Katmandu, a capital do Nepal. É nas montanhas daquele País, a fazer trekking, que vai passar o Natal. Está com dois amigos, uma portuguesa e um italiano, que trabalham na área do cinema.

"Tenho estado a viajar sozinha, mas combinámos passar o Natal juntos". Nas vésperas, poucas certezas sobre a noite de consoada: "Acho que vamos beber uma cerveja e ligar aos nossos pais". Depois de visitar a Rússia, a Sibéria, a Mongólia, a China, a Coreia do Norte, a Índia e o Nepal, Tânia segue a meio de janeiro para o Camboja. "Uma viagem de sonho".

Nem parece Natal

"Acabei de chegar ao Rio de Janeiro para passar o Natal com a minha irmã e confesso que, se não fossem algumas decorações de Natal nas ruas e o facto de estarmos a combinar detalhes das refeições da quadra com amigos, achava que estava a passar férias no Brasil num mês de verão qualquer do meu calendário", conta Sofia Galeão Figueiras ao DN.

No que diz respeito ao jantar deste sábado, as escolhas também já estão feitas. "Vamos optar por sabores brasileiros na Consoada mas talvez arrisquemos pequenas incursões aos doces minhotos. A única tradição incontornável é beber vinhos portugueses (vontade minha e exigência geral dos convivas), uma vez que tudo o resto será uma mistura de descontração e de mente aberta. Refeições e troca de presentes estão agendadas. Idas à praia e forró também. Não me lembro dos sinos, das couves nem das rabanadas: aqui todos os dias são uma festa. Como adoro o Natal e procuro que seja uma data animada, estou curiosa com este novo formato em que não vai faltar música e alegria", acrescenta.

Certo é que considera ser este o melhor local do mundo para esta altura do ano. "O Brasil é talvez o melhor cenário do Mundo para brindar às coisas boas, partilhar sorrisos e celebrar. E o Natal deve ser mesmo isso: um brinde à vida."

Celebração de recolhimento e meditação interior

"À medida que avanço na idade e depois dos sobressaltos da vida, o meu Natal é cada vez mais uma celebração do sagrado repouso depois da agitação do trabalho (que nunca cessa), uma celebração do recolhimento e da meditação interior e sobretudo da celebração do amor, da amizade e da fraternidade", conta ao DN José Manuel Anes, ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT).

Lembrando todos os amigos e familiares (incluindo os que já partiram), o professor universitário, natural de Lisboa, de 72 anos, sublinha também a sua ligação à maçonaria. "No final do século passado fui responsável por uma organização iniciática que tem como lemas Perit ut Vivat e a Adhuc Stat, apelos ao renascimento e à ressurreição neste mundo e proclamação de que o templo apesar de tudo continua de pé, arte difícil mas na qual importa investir todo o nosso empenho e sabedoria. Que a Paz e o Amor vivam entre nós! Shalom! Pax! Salam!".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.