Um de dois reclusos feridos em Sintra continua internado

Um conflito entre sete reclusos depois das visitas originou os dois feridos este domingo

Dois reclusos do Estabelecimento Prisional de Sintra receberam assistência hospitalar, encontrando-se um ainda internado, na sequência de confrontos entre sete presos, na manhã de domingo, confirmou hoje a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

Segundo uma resposta por escrito enviada à Lusa, cerca das 10:30 de 11 de setembro, "no seguimento das visitas, verificou-se, no Estabelecimento Prisional de Sintra, uma situação de confronto físico que envolveu sete reclusos".

A situação foi "resolvida pelos elementos da vigilância no âmbito do desempenho normal das suas funções", mas do conflito "resultaram ferimentos, por arma branca de fabrico artesanal, em dois reclusos que foram assistidos em hospital do Serviço Nacional de Saúde", é explicado na nota do diretor de relações externas da DGRSP.

Um dos feridos ficou "internado, apesar do seu estado de saúde não inspirar cuidados e estar a evoluir favoravelmente", esclareceu a mesma fonte oficial.

"Os reclusos envolvidos no incidente foram todos identificados e cautelarmente separados da restante população prisional", salientou a DGRSP, acrescentando que "estão a ser tomadas as medidas necessárias e adequadas para impedir novos conflitos e para manter a ordem no Estabelecimento Prisional de Sintra".

A DGRSP não revelou as idades dos feridos, bem como os motivos que estiveram na origem dos confrontos, concluindo apenas que "está, igualmente, a decorrer processo disciplinar aos reclusos envolvidos".

O Estabelecimento Prisional de Sintra já antes foi objeto de um inquérito, devido a uma alegada festa realizada no bar de reclusos, filmada com o recurso a telemóveis pelos presos, apesar de proibidos de utilizar no interior da cadeia.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.