Um brinde de alentejano para Berthold

Campeão do Mundo pela Alemanha em 1990, Pascal Zuberbuhler, ex-guarda-redes da Seleção Suíça, e Josh Simpson, ex-jogador da Seleção Canadiana provaram vinhos portugueses no FIFA World Football Museum

A menos de 30 dias do início do Campeonato do Mundo, Thomas Berthold, Campeão do Mundo pela Alemanha em 1990, brinda ao sucesso do Mundial com os Vinhos do Alentejo. A história repete-se e o sucesso da edição de 2017 levou o Vinho ao Museu do Futebol Mundial da FIFA, em Zurique, na Suíça, sempre pela mão do Alentejo.

Se na estreia, o brinde foi de Gianni Infantino, presidente da organização máxima do futebol mundial, no segundo ano a honra coube a Thomas Berthold, Campeão do Mundo pela Alemanha em 1990 que foi acompanhado neste brinde por Pascal Zuberbuhler, ex-guarda-redes da Seleção Suíça, e Josh Simpson, ex-jogador da Seleção Canadiana. Curioso será lembrar que o guardião suíço conseguiu o feito, no Campeonato do Mundo da Alemanha de 2006, de terminar a fase de grupos sem sofrer golos, até à derrota nos oitavos de final (nos penalties) frente à Ucrânia. Terminou a sua carreira num jogo contra Portugal no Euro 2008.

Os vinhos dos 13 produtores aí representados: Adega Mayor, Enoforum, Dona Maria - Júlio Bastos, Guadelim - Herdade do Pico, Herdade do Perdigão, Herdade dos Grous, João M. Barbosa, Monte do Álamo, Granacer, Quinta do Zambujeiro, Reynolds Wine Growers, Torre de Palma e Herdade do Quetzal, conquistaram estas estrelas do futebol e as quase três centenas de pessoas, dos cinco continentes, que participaram nesta Grande Prova.

"Apresentar os vinhos de uma das mais reconhecidas Regiões Vitivinícolas de Portugal e do Mundo numa cidade tão cosmopolita como Zurique atraiu um público profissional e consumidor diversificado", afirmou Francisco Mateus, Presidente da CVRA, acrescentando que "a presença de um tão vasto público e destes jogadores de referência, mostram que o Alentejo e os seus Produtores têm uma permanente capacidade para surpreender, atrair e conquistar! A presença neste mercado estratégico saí, assim e mais uma vez, reforçada", concluiu Francisco Mateus.

Considerada um grande sucesso pela organização, a prova de vinhos do Alentejo no FIFA World Football Museum, realizada na passada terça-feira, contou com mais de 300 convidados, foi promovida pela CVRA - Comissão Vitivinícola Regional Alentejana, com produção da EV-Essência do Vinho.

De recordar que a Suíça é um mercado estratégico para os Vinhos do Alentejo, que conquistaram um posicionamento de topo e o reconhecimento de profissionais e consumidores num mercado tão sofisticado, competitivo e diversificado como é o suíço"

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."