Uber despediu pelo menos 20 trabalhadores devido a queixas de assédio sexual

Foram investigadas 215 queixas

A Uber despediu pelo menos 20 trabalhadores na sequência de uma investigação dentro da empresa tendo em conta várias queixas de assédio sexual.

Numa reunião esta terça-feira, os empregados da empresa informou que foram investigadas 215 queixas de assédio, sendo que 100 não levaram a qualquer ação por parte da empresa, diz a CNN.

Além de queixas de cariz sexual, dentro dos 215 casos estão ainda situações de discriminação, comportamento pouco profissional e bullying.

Em fevereiro, a Uber viu-se envolvida em acusações de sexismo e assédio sexual recorrente dentro da empresa, por parte de uma ex-funcionária, Susan Fowler.

Fowler revelou, num blogue, que existiam muitos comportamentos incorretos dentro da empresa, que pouco fazia para os corrigir. Contou também que lhe chegou a ser proposto sexo por parte de um superior. Mais tarde Susan Fowler descobriu que mais pessoas haviam falado sobre assuntos similares dentro da empresa, que se limitou a emitir avisos.

Não é ainda claro quais são os papéis e os postos de quem foi despedido mas, de acordo com fonte da CNN, vários funcionários de nível alto já não estão na empresa como resultado da investigação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.