Tribunal dá razão a empresa que viu rejeitada licença para tourada na Feira

Em causa uma corrida de touros agendada para Lourosa

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Aveiro deu razão à empresa que em maio foi impedida de realizar uma corrida de touros em Santa Maria da Feira, tendo a autarquia afirmado esta quarta-feira que irá respeitar a decisão judicial final.

Em causa está uma corrida de touros que esteve agendada para Lourosa, no norte daquele concelho do distrito de Aveiro, e "teve de ser adiada porque [a empresa promotora, a Suprema Rotação] não obteve o licenciamento necessário e atempado por parte da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira", recorda a PróToiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia.

A Suprema Rotação reivindicou judicialmente o direito a realizar o evento, o tribunal deu-lhe razão e, após uma segunda tentativa de impedimento por parte da Câmara Municipal, que interpôs recurso dessa decisão, o Tribunal Administrativo e Fiscal de Aveiro ratificou a primeira deliberação.

"Decidiu manter a decisão inicial que obrigou a Câmara Municipal a licenciar a instalação de uma praça amovível para a realização de uma corrida de touros, rejeitando o recurso que a autarquia tinha interposto", refere a PróToiro, em comunicado.

A federação tauromáquica defende, por isso, que, ao deliberar duas vezes no mesmo sentido, o sistema judicial português "demonstrou a ilegalidade cometida pela autarquia de Santa Maria da Feira, cujo presidente entendeu que uma decisão pessoal se deve sobrepor ao Estado de Direito".

A PróToiro realça que "os municípios não têm qualquer poder ou autoridade sobre a realização de corridas de touros, sendo ilegal qualquer tentativa de proibição ou impedimento desta atividade cultural, definida pelo Estado como parte integrante do património cultural português".

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara da Feira, Emídio Sousa, assumiu que a autarquia "tem de respeitar a decisão do tribunal e cumprir com o que ele determinou".

Sobre possíveis medidas para evitar corridas de touros no concelho, num concelho cuja Assembleia Municipal já foi unânime em manifestar-se contra eventos deste tipo, o autarca diz-se limitado no seu poder.

"Esta é uma matéria em que qualquer alteração legal cabe unicamente ao Governo central", explica.

A PróToiro, por sua vez, anuncia que "em breve a população de Santa Maria da Feira poderá voltar a usufruir de um espetáculo cultural que aprecia".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.