Três dos cinco feridos da explosão em prédio de Alfama já tiveram alta

Os feridos são dois franceses, dois alemães e uma portuguesa.

Três dos cinco feridos na explosão num prédio de Alfama, em Lisboa, já tiveram alta, disse hoje o vereador da Segurança e Proteção Civil da Câmara de Lisboa, Carlos Castro, corrigindo o número de total de feridos avançado inicialmente.

Em declarações aos jornalistas no local da ocorrência, o autarca disse que os seis feridos avançados inicialmente são afinal cinco, uma vez que foi prestada a assistência a uma pessoa que estava na zona, mas que "era uma situação distinta".

Assim, a explosão ocorrida no domingo num prédio em Alfama provocou cinco feridos: "dois franceses, dois alemães e uma portuguesa".

De acordo com Carlos Castro, o casal francês, uma das pessoas de nacionalidade alemã e a portuguesa foram transferidos para o Hospital de São José, em Lisboa. Já todos tiveram alta hospitalar à exceção da pessoa de nacionalidade alemã, que ainda permanece no hospital com ferimentos ligeiros.

Já o outro ferido de nacionalidade alemã foi encaminhado para os Hospitais da Universidade de Coimbra, por "entendimento dos técnicos" que o socorreram, não havendo ainda informação do seu estado clínico.

Neste sentido, permanecem hospitalizados dois feridos, ambos de nacionalidade alemã, um no Hospital de São José e outro nos Hospitais da Universidade de Coimbra.

Os feridos estavam todos dentro do edifício no momento da expulsão, um prédio de cinco pisos, no número 59A da Rua dos Remédios, em Alfama.

Os apartamentos situados no andar em que ocorreu a explosão estavam destinados a alojamento local.

Carlos Castro assegurou que a autarquia está desde o primeiro momento a proceder ao apoio à população afetada, sobretudo às dez pessoas que foram retiradas das habitações devido à explosão.

"As pessoas estão realojadas", frisou o autarca, indicando que agora decorre o acompanhamento "de toda esta situação", nomeadamente o contacto com os proprietários, assim que acabar a vistoria a todo o edificado, para que possam acionar os seguros e que haja uma intervenção.

Segundo o vereador da Segurança e da Proteção Civil, a explosão que ocorreu no número 59A da Rua dos Remédios afetou ainda o prédio vizinho do número 65, pelo que os moradores destes dois prédios só vão poder regressar às habitações quando for feita a intervenção.

No número 59A há o risco de queda da fachada. Já o número 65 sofreu com a projeção da explosão e está a suportar um "peso forte na estrutura", em que "parte do telhado foi danificada".

Além destes dois prédios, o número 62 também sofreu com a explosão, mas não de forma grave, pelo que os moradores já podem regressar às habitações, avançou o autarca.

A Rua dos Remédios foi cortada ao trânsito e vai continuar "interdita o tempo necessário para que decorra intervenção e o restabelecimento da normalidade".

"Não iremos abrir a rua sem estar garantida a segurança das pessoas", declarou o autarca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.