Trânsito junto ao viaduto de Alcântara continua condicionado

Trabalhos de reparação da estrutura obrigam PSP a desviar os carros. Saiba quais são as alternativas

O trânsito junto ao viaduto de Alcântara continua, esta quinta feira de manhã, condicionado no sentido Cascais-Lisboa devido aos trabalhos da Câmara no viaduto após o desvio registado na quarta-feira num dos pilares, disse fonte da PSP trânsito.

Às 07:30 de hoje ainda estavam no local a decorrer os trabalhos no viaduto, apesar de na quarta-feira a Câmara Municipal de Lisboa ter afirmado em comunicado que estes iriam decorrer entre as 02:00 e as 06:00.

O trânsito na zona de Alcântara continuava às 07:30 de hoje condicionado devido ao problema no viaduto, que passa por cima das avenidas da Índia e Brasília, entre a Avenida de Ceuta e as Docas.

"O trânsito está condicionado no sentido Cascais-Lisboa. Às 07:30 o trânsito ainda estava a fazer-se com alguma regularidade", adiantou a mesma fonte da PSP, salientando que os trabalhos ainda estão a decorrer, não havendo previsão para o restabelecimento da normalidade.

A mesma fonte indicou que "o trânsito está a ser desviado, não havendo carros a passar por debaixo do viaduto" através da Avenida da Índia.

"Na Avenida Brasília - artéria paralela à avenida da Índia e que também se localiza por debaixo do viaduto de Alcântara - o trânsito está a circular normalmente", disse.

No comunicado da câmara, emitido na quarta-feira, a autarquia informava que iriam ser montados "dispositivos hidráulicos para elevar o tabuleiro com vista a colocar esta estrutura e o pilar na posição correta".

A intervenção não vai ter "qualquer impacto na circulação ferroviária", referiu o município, lembrando que o trânsito mantinha "fortes condicionamentos".

A circulação de trânsito na avenida da Índia - artéria localizada por debaixo do viaduto de Alcântara -- foi interrompida às 08:00 de quarta-feira.

Devido aos trabalhos, a circulação rodoviária sobre o viaduto vai continuar encerrada.

De acordo com o vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, "não há qualquer risco de colapso do viaduto" de Alcântara, apesar do desvio na infraestrutura.

O incidente estará relacionado "com o provável embate de um pesado durante a noite", referiu Manuel Salgado.

Em relação à intervenção a realizar no viaduto, o autarca disse ao final da manhã que "não é muito complexa", explicando que "é a montagem de umas torres e de uns macacos hidráulicos para levantarem o tabuleiro e encaixar na posição correta".

O vereador Manuel Salgado referiu ainda que foi feita uma inspeção ao viaduto no dia 13 de fevereiro, o que é reafirmado no comunicado do município.

A autarquia dá conta de exames regulares pelos serviços técnicos competentes e de não ter sido detetada qualquer anomalia.

"O viaduto estava em boas condições. A sua estrutura foi reforçada em 2005", acrescentou Manuel Salgado no local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.