Viaduto de Alcântara: autoridades garantem que não há perigo

Reparação do dano será efetuado durante a noite. Circulação naquela zona de Lisboa vai ser retomada, com condicionamentos

O trânsito em Alcântara e a circulação rodoviária foram interrompidos hoje, às 8:00, devido a um desvio no pilar do viaduto de Alcântara, Lisboa. Segundo os Bombeiros Sapadores de Lisboa havia o receio de que esse dano pudesse colocar a estrutura em risco. Após vistoria de várias entidades, surgiu a garantia de que o viaduto não estava em risco, mas que seria reparado durante a noite.

A circulação será retomada, com condicionamentos. Primeiro a ferroviária, ainda esta manhã; depois a rodoviária.

Manuel Salgado, vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, afirmou, cerca das 11:00, que o viaduto "não está em risco de ruir", mas que será necessário efetuar a reparação do dano, mais precisamente "encaixar o tabuleiro no mesmo local". O desvio terá sido provocado pelo embate de um camião durante a noite, disse.

O autarca explicou que "já se mobilizaram os meios técnicos para fazer a reparação" e que o procedimento não é complexo, sendo necessários macacos hidráulicos para levantar o tabuleiro e colocá-lo na posição correta sobre o pilar.

Em princípio, essa reparação poderá acontecer durante a próxima noite, o que implicará condicionamentos nos, sobretudo ferroviário.

A circulação ferroviária foi retomada cerca das 11:00, "com redução de velocidade". A circulação rodoviária será retomada com condicionamentos e desvios de trânsito. "A circulação ao nível superior, essa ficará condicionada até estarem totalmente asseguradas as condições de segurança", explicou o vereador.

Manuel Salgado referiu que o viaduto em causa foi vistoriado a 13 de fevereiro e que não apresentava problemas, além de ter passado por obras de reforço em 2005.

O autarca explicou ainda que existe "um projeto para substituir todas estas estruturas metálicas", mas reafirmou que o viaduto tem todas as condições de segurança.

O trânsito automóvel e de comboios esteve fechado naquela zona desde as 8:00. Fonte dos Bombeiros Sapadores de Lisboa adiantou ao DN que os bombeiros foram chamados ao local cerca das 7:30 após uma comunicação de problemas na estrutura do viaduto. No local, confirmaram existir um afastamento de um dos pilares, acionando de imediato um dispositivo de segurança.

A mesma fonte explicou que, além da circulação automóvel, também a de comboios (Linha de Cascais) teve de ser interrompida, por questões de segurança, porque a passagem dos comboios por baixo do viaduto "provoca vibração que pode aumentar o risco".

Os passageiros da linha ferroviária de Cascais puderam utilizar autocarros da Carris para a ligação entre Algés e o Cais do Sodré.

No local estão elementos dos Sapadores Bombeiros, da proteção Civil e da Polícia.

(Atualizada às 11:15 com declarações do vereador Manuel Salgado)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...