Trabalhador de mina de Aljustrel ferido a 200 metros de profundidade

Homem ficou ferido com gravidade na colisão entre dois veículos ocorrida a 200 metros de profundidade

O trabalhador da mina de Aljustrel (Beja), de 48 anos, ferido com gravidade num acidente de trabalho ocorrido hoje está a ser transportado de helicóptero para o Hospital de Faro, no Algarve, revelou o INEM.

"O ferido grave tem 48 anos e está a ser transportado para o Hospital de Faro", através do helicóptero de Loulé, disse à agência Lusa, pouco depois das 11:00, fonte do gabinete de comunicação do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), escusando-se a revelar pormenores sobre o estado clínico da vítima.

Também contactado pela Lusa, Carlos Graça, diretor da Unidade Local do Litoral e Baixo Alentejo da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), explicou que já se encontra na mina de Aljustrel, a proceder a "averiguações sobre as circunstâncias" em que ocorreu o acidente de trabalho.

"Já estamos no local, a ouvir intervenientes, e vamos agora descer para o fundo da mina, para continuar as averiguações", afirmou.

O alerta para o acidente de trabalho, em que o homem sofreu ferimentos graves, foi dado aos bombeiros às 07:43, envolvendo a colisão entre duas viaturas, a 200 metros de profundidade, disse o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja.

Segundo o responsável da ACT, a colisão aconteceu "entre um ligeiro de mercadorias e um pesado, uma pá carregadora".

O ferido grave era "um dos ocupantes do veículo ligeiro de mercadorias", revelou Carlos Graça, tendo o Comando Territorial de Beja da GNR referido também à Lusa que o homem "teve de ser desencarcerado".

A Lusa contactou a Almina, concessionária da mina de Aljustrel, mas, até ao momento, não foi possível obter qualquer esclarecimento.

As operações de socorro mobilizaram, além do helicóptero e de outros meios do INEM, 21 operacionais dos bombeiros e da GNR, apoiados por seis veículos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.