Tourada em Santa Maria da Feira adiada de novo

A tourada foi inicialmente anunciada para o dia 24 de abril e depois adiada para este domingo

A tourada prevista para domingo em Lourosa, no concelho de Santa Maria da Feira, foi adiada pela segunda vez e agora ainda não tem data marcada, anunciou hoje a organização do evento.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a empresa Suprema Rotação, que promove a iniciativa, refere que a Câmara Municipal da Feira "inventou nova manobra dilatória para não cumprir a decisão judicial", que a obrigou "a emitir a respetiva licença de instalação da praça de touros", o que provocou novo adiamento.

"O processo avança agora em tribunal para proceder à responsabilização da Câmara Municipal e seus representantes pelos danos provocados por estas decisões atentatórias dos direitos, garantias e liberdades dos cidadãos", acrescenta a promotora do evento.

A tourada foi inicialmente anunciada para o dia 24 de abril, embora não estivesse à data autorizada pela autarquia e tivesse sido criticada pelo Bloco de Esquerda (BE).

O promotor anunciou o adiamento da realização da tourada para este domingo, mas hoje adianta que a nova data da corrida de touros será depois anunciada.

Garantindo que recorreu a tribunal e que este deu "provimento ao pedido, obrigando a câmara a emitir a respetiva licença de instalação da praça de touros", a empresa garante que marcará nova data "assim que estiverem reunidas as devidas condições".

Contactada pela Lusa, fonte da Câmara da Feira disse hoje que "a autarquia respeita a lei" e manteve a justificação que tinha já dado anteriormente.

Em 29 de abril, o presidente da autarquia, Emídio Sousa, afirmou à Lusa ser "contra a realização deste tipo de espetáculo no concelho de Santa Maria da Feira", por não existir "nenhuma tradição" de touradas.

"A câmara não autorizou a tourada nem vai autorizar qualquer outra que pretendam realizar aqui, pelo menos durante a minha gestão", disse então, reconhecendo, contudo, que a empresa Suprema Rotação poderia recorrer judicialmente da decisão do município e ver concretizado o seu objetivo, que não está proibido pela legislação nacional.

À data, a tourada que a empresa Suprema Rotação se propunha realizar numa praça de touros amovível instalada em terrenos privados da freguesia de Lourosa não tinha ainda obtido o devido licenciamento da Câmara Municipal.

Apesar disso, os organizadores continuaram a publicitá-la e a vender os respetivos bilhetes, pelo que a coordenação local do BE convocou uma manifestação de protesto para o dia da realização do evento.

Aquando do anúncio do primeiro adiamento, a empresa explicou que o mesmo era "uma consequência de problemas de licenciamento levantados pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira sobre a montagem da praça", garantindo que seriam "resolvidos no local jurídico adequado".

A empresa alegou que a via judicial lhe conferiria autorização para avançar com a iniciativa porque "os municípios não têm qualquer poder ou autoridade sobre a realização de corridas de touros, sendo ilegal qualquer tentativa de proibição ou impedimento desta atividade cultural, definida pelo Estado como parte integrante do património cultural português".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".