Torres Novas vai ficar sem água no sábado

Rotura grave em conduta da EPAL vai levar a cortes no abastecimento

A cidade de Torres Novas e localidades limítrofes vão estar sábado sem abastecimento de água entre as 05:00 e as 18:00 devido à necessidade de reparação de uma "rotura grave" na conduta da EPAL, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a empresa intermunicipal Águas do Ribatejo (AR), cliente da EPAL no abastecimento ao concelho torrejano, afirma que, apesar de dispor de reservas, dada a duração do corte, prevê constrangimentos e mesmo cortes no abastecimento "numa parte significativa da cidade" e de localidades limítrofes.

A empresa admite que possam ser afetados "clientes sensíveis", como o hospital, unidades de saúde, superfícies comerciais e zonas industriais, que fonte da AR disse à Lusa disporem de sistemas alternativos, cuja operacionalidade está a ser verificada.

O responsável pela comunicação da AR, Nelson Lopes, afirmou que os clientes mais afetados acabarão por ser os que, findas as reservas da empresa, não tenham alternativas, o que poderá afetar, em particular, o pequeno comércio.

A empresa apelou já aos grandes consumidores, como o município ou as indústrias, para reduzirem o consumo ao estritamente necessário (por exemplo, fechando sistemas de rega e suspendendo lavagens de pavimentos) e, à generalidade dos habitantes, para que "providenciem reservas para os consumos inadiáveis", disse Nelson Lopes.

A rotura ocorreu na conduta principal de Castelo de Bode da EPAL, afirma a nota, alertando a AR que, imediatamente após a reposição do abastecimento, prevista para o final da tarde de sábado, "não é aconselhável o consumo e a utilização da água".

"Só deve consumir depois de retomada a normalidade no abastecimento, quando a água se apresentar transparente", afirma o comunicado, pedindo que, caso haja turvação da água ou seja necessário qualquer esclarecimento, sejam contactados os serviços da empresa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?