Torres Novas vai ficar sem água no sábado

Rotura grave em conduta da EPAL vai levar a cortes no abastecimento

A cidade de Torres Novas e localidades limítrofes vão estar sábado sem abastecimento de água entre as 05:00 e as 18:00 devido à necessidade de reparação de uma "rotura grave" na conduta da EPAL, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a empresa intermunicipal Águas do Ribatejo (AR), cliente da EPAL no abastecimento ao concelho torrejano, afirma que, apesar de dispor de reservas, dada a duração do corte, prevê constrangimentos e mesmo cortes no abastecimento "numa parte significativa da cidade" e de localidades limítrofes.

A empresa admite que possam ser afetados "clientes sensíveis", como o hospital, unidades de saúde, superfícies comerciais e zonas industriais, que fonte da AR disse à Lusa disporem de sistemas alternativos, cuja operacionalidade está a ser verificada.

O responsável pela comunicação da AR, Nelson Lopes, afirmou que os clientes mais afetados acabarão por ser os que, findas as reservas da empresa, não tenham alternativas, o que poderá afetar, em particular, o pequeno comércio.

A empresa apelou já aos grandes consumidores, como o município ou as indústrias, para reduzirem o consumo ao estritamente necessário (por exemplo, fechando sistemas de rega e suspendendo lavagens de pavimentos) e, à generalidade dos habitantes, para que "providenciem reservas para os consumos inadiáveis", disse Nelson Lopes.

A rotura ocorreu na conduta principal de Castelo de Bode da EPAL, afirma a nota, alertando a AR que, imediatamente após a reposição do abastecimento, prevista para o final da tarde de sábado, "não é aconselhável o consumo e a utilização da água".

"Só deve consumir depois de retomada a normalidade no abastecimento, quando a água se apresentar transparente", afirma o comunicado, pedindo que, caso haja turvação da água ou seja necessário qualquer esclarecimento, sejam contactados os serviços da empresa.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.