"Todos os produtos de tabaco são nocivos"

Emília Nunes, diretora do programa nacional para a prevenção e o controlo do tabagismo, adverte para os malefícios de fumar

As empresas de tabaco estão a investir em produtos que chamam de potencial risco reduzido. Esta afirmação ainda é prematura?

Sim, é prematura. Esta alegação carece de validação científica por entidades credíveis e independentes que confirmem esta alegação. Dado que se trata de um novo produto esses estudos ainda não existem.

Como estão as entidades de saúde a lidar com estes novos produtos?

Estão a acompanhar a informação científica que vai sendo publicada e a acompanhar as orientações da OMS e da Comissão Europeia.

As empresas estão a aproveitar um vazio na lei?

Não há um vazio na lei. A Lei 109/2015 de 26 de agosto que transpôs a Diretiva 2014/40 de 3 de abril contempla a regulamentação dos designados novos produtos do tabaco.

Quais os riscos de se olhar para estes produtos como alternativas mais seguras ao tabaco convencional?

A perda de incentivo para parar de fumar em atuais fumadores, e as recaídas em ex-fumadores, decorrentes da falsa perceção de que se trata de um produto inofensivo ou com baixo risco.

E que limites se podem colocar às empresas, que embora não digam que são mais saudáveis dizem que há uma produção de menos gases tóxicos porque não há combustão do tabaco?

O limite previsto na lei tem que ver com a publicidade. A lei proíbe todas as formas de publicidade aos produtos do tabaco, direta e indireta.

Poderá haver um tipo de tabaco que é menos prejudicial? E se sim ele deve ser oferecido aos consumidores ou deve manter-se a política de incentivar os fumadores a desistirem?

Conforme tem sido reiterado pela OMS, todos os produtos do tabaco geram dependência e são nocivos para a saúde. Nesse sentido, deve manter-se o objetivo de incentivar todas as pessoas fumadoras a deixarem de fumar.

Que mensagem passa quando o presidente da maior tabaqueira do mundo - a Philip Morris - diz em entrevista que espera que todos os fumadores mudem o mais rapidamente possível para estas alternativas e que quer deixar de produzir tabaco convencional?

Este tipo de mensagem contribui para manter o consumo de tabaco. Acentua a ideia de que, em vez de parar, os fumadores devem mudar o consumo para este novo produto.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.