"Todos os produtos de tabaco são nocivos"

Emília Nunes, diretora do programa nacional para a prevenção e o controlo do tabagismo, adverte para os malefícios de fumar

As empresas de tabaco estão a investir em produtos que chamam de potencial risco reduzido. Esta afirmação ainda é prematura?

Sim, é prematura. Esta alegação carece de validação científica por entidades credíveis e independentes que confirmem esta alegação. Dado que se trata de um novo produto esses estudos ainda não existem.

Como estão as entidades de saúde a lidar com estes novos produtos?

Estão a acompanhar a informação científica que vai sendo publicada e a acompanhar as orientações da OMS e da Comissão Europeia.

As empresas estão a aproveitar um vazio na lei?

Não há um vazio na lei. A Lei 109/2015 de 26 de agosto que transpôs a Diretiva 2014/40 de 3 de abril contempla a regulamentação dos designados novos produtos do tabaco.

Quais os riscos de se olhar para estes produtos como alternativas mais seguras ao tabaco convencional?

A perda de incentivo para parar de fumar em atuais fumadores, e as recaídas em ex-fumadores, decorrentes da falsa perceção de que se trata de um produto inofensivo ou com baixo risco.

E que limites se podem colocar às empresas, que embora não digam que são mais saudáveis dizem que há uma produção de menos gases tóxicos porque não há combustão do tabaco?

O limite previsto na lei tem que ver com a publicidade. A lei proíbe todas as formas de publicidade aos produtos do tabaco, direta e indireta.

Poderá haver um tipo de tabaco que é menos prejudicial? E se sim ele deve ser oferecido aos consumidores ou deve manter-se a política de incentivar os fumadores a desistirem?

Conforme tem sido reiterado pela OMS, todos os produtos do tabaco geram dependência e são nocivos para a saúde. Nesse sentido, deve manter-se o objetivo de incentivar todas as pessoas fumadoras a deixarem de fumar.

Que mensagem passa quando o presidente da maior tabaqueira do mundo - a Philip Morris - diz em entrevista que espera que todos os fumadores mudem o mais rapidamente possível para estas alternativas e que quer deixar de produzir tabaco convencional?

Este tipo de mensagem contribui para manter o consumo de tabaco. Acentua a ideia de que, em vez de parar, os fumadores devem mudar o consumo para este novo produto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.