Todos os dias são mortos 33 cães e gatos nos canis do Estado

Já existe uma lei que condena os maus tratos a animais, no entanto não há nenhuma que proíba os canis de matar os animais que lá se encontram, com exceção na Região Autónoma da Madeira - desde ontem

Os canis portugueses autorizados pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) abatem todos os dias 33 cães e gatos, num total de 12 mil por ano, números contestados pelas associações de defesa dos animais e pelo PAN (Pessoas-Animais-Natureza) que alegam um número mais elevado de mortes no ano de 2015: 100 mil animais mortos por ano, cerca de 274 por dia.

O Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, disse ao Jornal de Notícias que foram recolhidos pelos canis municipais - centros de recolha oficiais (CRO), no ano de 2015, 30192 animais, dos quais 23706 são cães 6486 gatos, sendo que nesse mesmo ano, foram restiuídos aos donos 2128 animais, 12567 foram adotados e 12073 foram para abate.

Apesar dos dados divulgados, as associações alegam que a estatística não é fiel, pois muitos canis não estão licenciados e demonstram a sua preocupação pelo facto de haver animais há espera de um dono há nove anos.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.