Teste do VIH deve ser feito pelo menos uma vez na vida por todos

O teste da infeção por VIH/sida deve ser feito por todos pelo menos uma vez na vida, apela a Direção-geral da Saúde, indicando que só com o teste é possível ter a certeza se existe ou não infeção.

"O importante é as pessoas terem a noção de que, pelo menos uma vez na vida, devem fazer o teste e isso deve ser encarado como fazer um teste para sabermos se temos diabetes ou colesterol alto. Só fazendo o teste é que podemos ter a certeza se estamos ou não infetados e só assim podemos ter acesso aos cuidados de saúde", afirmou a diretora do Programa Nacional para a Infeção VIH, Sida e Tuberculose.

Durante a apresentação do relatório sobre estas doenças, referente a 2016, Isabel Aldir sublinhou a importância do diagnóstico precoce.

Apesar de o número de testes realizados nos centros de saúde ter aumentado significativamente em 2016, segundo Isabel Aldir ainda chegam aos cuidados de saúde pessoas com doença muito avançada, indicando que é necessário trabalhar para serem mais precocemente diagnosticadas.

Em 2016, dos 841 novos casos de infeção por VIH notificados, 161 tinham já critérios de sida, o que significa que a doença estava em estado avançado de evolução.

A infeção por VIH pode tardar em manifestar sintomas. De acordo com dados hoje apresentados em Lisboa quase 65% dos novos casos no ano passado foram de portadores assintomáticos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...