"Tentou fechar as pernas?", pergunta juíza a vítima de violação

Magistrada espanhola fez um rol de perguntas insólitas a uma vítima de violação, grávida de cinco meses

Uma juíza espanhola protagonizou um inquérito a uma vítima de violação que está a causar, no mínimo, indignação. "Fechou bem as pernas? Fechou bem os seus órgãos femininos?",questionou a magistrada Maria Del Carmen Molina. A vítima, grávida de cinco meses na sequência dessa violação, considerou as perguntas "humilhantes".

Perante este episódio, a associação de defesa dos direitos das mulheres Clara Campoamor já fez uma queixa ao Conselho Geral do Poder Judicial - correspondente ao 'nosso' Conselho Superior da Magistratura - pedindo a imediata suspensão ou mesmo expulsão da magistrada em causa. "A pergunta é humilhante, ofensiva e degradante", segundo sublinhou Blanca Estrella, presidente da Associação Clara Campoamor. "Demonstra uma falta de profissionalismo, de rigor e de ética pela vítima".

A mulher fez queixa às autoridades do seu companheiro depois de repetidos abusos sexuais e psicológicos. Contou inclusive que "perante estas questões da juíza, fiquei chocada". A vítima recorreu à Justiça de modo a conseguir uma ordem de afastamento judicial contra o companheiro.

"A juíza demonstrou que não considerava credível o testemunho da vítima, questionando-a mas sem permitir que a mesma respondesse", disse Blanca Estrella.

Segundo o "The Telegraph", fonte oficial do Conselho Geral do Poder Judicial assumiu que já confrontou a magistrada com esta queixa, esperando agora a versão dos factos da mesma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?