"Tentou fechar as pernas?", pergunta juíza a vítima de violação

Magistrada espanhola fez um rol de perguntas insólitas a uma vítima de violação, grávida de cinco meses

Uma juíza espanhola protagonizou um inquérito a uma vítima de violação que está a causar, no mínimo, indignação. "Fechou bem as pernas? Fechou bem os seus órgãos femininos?",questionou a magistrada Maria Del Carmen Molina. A vítima, grávida de cinco meses na sequência dessa violação, considerou as perguntas "humilhantes".

Perante este episódio, a associação de defesa dos direitos das mulheres Clara Campoamor já fez uma queixa ao Conselho Geral do Poder Judicial - correspondente ao 'nosso' Conselho Superior da Magistratura - pedindo a imediata suspensão ou mesmo expulsão da magistrada em causa. "A pergunta é humilhante, ofensiva e degradante", segundo sublinhou Blanca Estrella, presidente da Associação Clara Campoamor. "Demonstra uma falta de profissionalismo, de rigor e de ética pela vítima".

A mulher fez queixa às autoridades do seu companheiro depois de repetidos abusos sexuais e psicológicos. Contou inclusive que "perante estas questões da juíza, fiquei chocada". A vítima recorreu à Justiça de modo a conseguir uma ordem de afastamento judicial contra o companheiro.

"A juíza demonstrou que não considerava credível o testemunho da vítima, questionando-a mas sem permitir que a mesma respondesse", disse Blanca Estrella.

Segundo o "The Telegraph", fonte oficial do Conselho Geral do Poder Judicial assumiu que já confrontou a magistrada com esta queixa, esperando agora a versão dos factos da mesma.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.