Tempo de sobrevivência no cancro do pulmão duplica com novos tratamentos

O cancro do pulmão continua a ser um dos que mais mata em Portugal e a figurar como o quarto tumor com mais incidência.

Os novos tratamentos para o cancro do pulmão estão a permitir duplicar o tempo de sobrevivência dos doentes, mas a maioria dos casos ainda tem de passar pela quimioterapia, segundo um grupo de peritos portugueses.

O presidente do Grupo de Estudos do Cancro do Pulmão, Fernando Barata, refere que as novas terapêuticas têm conseguido que alguns doentes que tinham uma mediana de 10 a 12 meses de vida atinjam os dois anos.

Estes avanços e a inovação terapêutica vão ser debatidos no sábado em Lisboa num encontro que reunirá cerca de 100 especialistas nacionais e estrangeiros.

Apesar da evolução dos tratamentos, que não podem ser aplicados a todos os doentes, o cancro do pulmão continua a ser um dos que mais mata em Portugal -- logo a seguir ao do cólon- e a figurar como o quarto tumor com mais incidência.

Sobre os mais recentes tratamentos (terapêuticas alvo e imunoterapia), o especialista Fernando Barata sublinha, em declarações à agência Lusa, que não se aplicam a todas as situações e são sobretudo dirigidas a estados mais avançados.

Ainda assim, o médico considera que "ainda se está longe de um controlo de toda a doença avançada".

Nas terapêuticas alvo são identificados, na superfície da célula tumoral, recetores que, ao serem bloqueados, levam à morte da célula. Mas só cerca de 20 a 25% dos cancros do pulmão podem ser tratados com este tipo de terapêutica.

É sobretudo nestas terapêuticas alvo que os especialistas têm visto resultados mais concretos em termos de aumento do tempo de sobrevivência, além de serem tratamento com mais baixa toxicidade.

Também a imunoterapia (feita através da ativação das defesas do organismo contra o tumor) tem mostrado bons resultados em termos de eficácia e baixa toxicidade, mas os peritos ainda não estão em condições de indicar o aumento do tempo de sobrevida que tem proporcionado.

O cancro do pulmão representa mais de 20% das mortes causadas por doenças oncológicas. O tabaco continua a ser o principal responsável por este tipo de tumor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.