Esconderam eles o segredo da felicidade na palavra hygge?

Hygge espelha um modo de vida. É aproveitar o momento com qualidade, em paz e sem ter de olhar para o relógio

A constante liderança da Dinamarca na lista de países mais felizes do mundo leva o comum dos mortais a perguntar qual é o segredo deles. Se por um lado é verdade que têm bons salários, saúde e educação públicas, baixo nível de corrupção, igualdade entre homens e mulheres, também têm noites de 17 horas durante o inverno, temperaturas médias que rondam os zero graus e altas taxas de sucídio.

Então como é que conseguem liderar os rankings de felicidade? Há quem considere que o segredo no hygge - uma palavra dinamarquesa e sem tradução direta - mas que significa toda uma atitude de vida que está a ser importada por países como Inglaterra ou EUA.

Hygge pode ser traduzido por aconchego. Para os dinamarqueses é a arte de beber vinho quente ou chá em frente à lareira num dia frio de inverno. Ler calmamente no sofá embrulhado numa manta. Jantar com amigos ou o cheiro a bolos caseiros a percorrer a casa. Ou como explica a autora do livro O ano em que vivemos à dinamarquesa, Helen Russell, hygge (que se pronuncia "hoo-ga") tem a ver com "ser bom contigo mesmo, passar um momento agradável e não se castigar nem negar nada".

"O resto do mundo está a perceber gradualmente o que os dinamarqueses já sabem há gerações: que passar um tempo relaxado com amigos e família, a beber um café ou cerveja, pode ser bom para a alma", referiu a autora.

A palavra foi usada pela primeira vez no século XVIII e é uma derivação da palavra norueguesa para "bem-estar". O conceito do hygge era tornar os invernos frios e escuros mais toleráveis. Agora, é comum usar esta palavra para descrever momentos como uma boa refeição ou estar na companhia de amigos.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".