Tejo mais limpo. Aumentam visitas de golfinhos à pesca da corvina e do charroco

População residente no estuário é mito. A qualidade da água do rio melhorou e espécies que são suas presas reapareceram

Um grupo de alunos de vela de Lisboa foi notícia nesta semana, não tanto pelas proezas ao leme mas por ter sido acompanhado por 30 golfinhos no estuário do Tejo, momento que registaram em vídeo. Mas estarão estes mamíferos a voltar ao estuário, como se diz, e como parece indicar o número crescente de avistamentos? E será que existiu mesmo uma população destes cetáceos residente no estuário, como acontece no Sado, mais a sul, e que terá desaparecido nos anos 60 do século XX, por causa da poluição?

Cristina Brito já viu golfinhos no Tejo. "Foi um avistamento ocasional, na primavera, e foi uma única vez. Fizemos muitas outras saídas no estuário em que não vimos golfinhos", conta a bióloga e investigadora da associação científica Escola de Mar, sediada na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que tem estudado, justamente, a questão dos golfinhos no Tejo.

Nos últimos dois anos, Cristina Brito e a sua equipa da Escola de Mar passaram a pente fino as fontes históricas na Torre do Tombo, Biblioteca Nacional e arquivos de Lisboa, Almada, Oeiras e Cascais, e mais de 7650 volumes da imprensa nacional e regional publicada em Portugal desde o século XVIII, para poderem responder a estas e outras perguntas. E uma das coisas que descobriram acaba por ser surpresa, porque é totalmente contrária à ideia corrente. Ao que tudo indica, nunca houve uma população de golfinhos fixa no Tejo. Por mais que procurassem, os investigadores não encontraram uma única referência nesse sentido. Ou seja, o aparecimento destes cetáceos brincalhões no estuário do Tejo não corresponde, afinal, a um regresso.

No encalço da refeição

Uma ideia fica, porém, no ar. A de que os avistamentos destes cetáceos se têm multiplicado na última década, talvez fruto de uma melhoria ambiental na zona do estuário. Será assim? Na prática, a qualidade da água melhorou, depois da construção e entrada em funcionamento das estações de tratamento de águas residuais (ETAR) que servem a região da Grande Lisboa e as cidades e povoações da Margem Sul, e com o fecho de unidades industriais poluentes e a aplicação de parâmetros ambientais mais apertados pelas restantes, na sequência de diretivas europeias e leis nacionais.

A bióloga Paula Chainho, do MARE, Centro de Ciências Marinhas e Ambientais da Universidade de Lisboa, que tem estudado a contaminação ambiental estuarina, incluindo no Tejo, através dos invertebrados que vivem nos lodos, confirma essa evolução positiva. "A qualidade da água do estuário tem melhorado de forma consistente ao longo das últimas duas décadas, com as várias intervenções efetuadas", explica a investigadora, sublinhando que os seus trabalhos de avaliação ecológica, "com base em indicadores biológicos, em macroinvertebrados, mostram uma melhoria significativa no estado ecológico na zona da Expo, numa série temporal de mais de dez anos". Os mesmos estudos indicam "que pode haver retrocessos temporários por causa de fatores sazonais, como a ocorrência de cheias", mas a boa notícia é que "a recuperação, nesses casos, também é relativamente rápida".

Portanto, o estuário melhorou e, para Paula Chainho, o facto de no último fim de semana ter entrado no Tejo um grande grupo de golfinhos, que andou divertido perto da Trafaria e dos pequenos barcos da escola de vela Terra Incógnita, mostra que, pelo menos, "a qualidade do estuário é suficientemente boa para não constituir uma barreira" à sua entrada e às das presas que eles pudessem estar a seguir, como provavelmente aconteceu.

Estudos da bióloga Maria José Costa, da Universidade de Lisboa, que durante décadas acompanhou a evolução das espécies estuarinas, revelaram que algumas populações de peixes que quase tinham desaparecido do Tejo entre 1960 e o final da década de 90, como o charroco lusitano e a corvina, ambas muito apreciadas pelos golfinhos, reapareceram no estuário em números significativos em 2004, devido a um aumento da temperatura da água, e assim se têm mantido. É de supor que, tudo somado, há de trazer mais golfinhos ao estuário, no encalço da refeição.

Tritões, baleias e um mito

Existem relatos antigos de "seres marinhos estranhos", como "tritões", ou "homens marinhos" no estuário. Plínio, o Velho, na sua História Naturalis, em 77-79 d.C., conta a experiência de uma embaixada romana a Lisboa, que, numa "gruta", avistou e ouviu "um tritão a tocar seu búzio, apresentando-se na forma que se conhece". Damião de Góis, em 1554, também se refere aos tritões que, "uma vez por outra, tinham por costume vir até à praia", na zona de Lisboa.

Mais tarde, nos séculos XVIII e XIX, há artigos de anónimos e de naturalistas na imprensa, em que se fala de baleias no Tejo. De então para cá - nos últimos 113 anos -, a equipa de Cristina Brito conseguiu contabilizar mais de 300 registos de arrojamentos de cetáceos na região de Lisboa, incluindo Margem Sul e zonas costeiras imediatamente a norte e a sul da embocadura do rio, e um total de 54 avistamentos de cetáceos no estuário. Como se lê no relatório final do seu projeto "Golfinhos do Tejo: realidade, imaginário ou mito", de novembro do ano passado, "as principais espécies avistadas são o golfinho-comum e o golfinho-roaz [Tursiops truncatos]", sobretudo na "zona inferior do estuário", e a maioria (67%) "no período da primavera-verão".

Apesar destes números relativamente modestos, a partir do final da década de 1960 generalizou-se a ideia, propagada de boca em boca e em artigos na imprensa, de que os golfinhos eram muito abundantes no estuário nos anos de 1940. Tornou-se então comum a ideia da tal população residente no Tejo de que, afinal, não há nenhum rasto documental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".