Taxistas rejeitam recomendações da Autoridade da Concorrência

Federação Portuguesa de Táxi classificou estas recomendações de "ideias perigosas"

A Federação Portuguesa do Táxi (FPT) rejeitou esta segunda-feira as recomendações da Autoridade da Concorrência para o transporte de passageiros em veículos ligeiros com motorista, afirmando que vão "destruir" 20 anos de trabalho de regulação do setor.

Numa audição na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, na passada terça-feira, o presidente da Autoridade da Concorrência fez saber que aquele organismo elaborou um relatório, que está em consulta pública até 9 de setembro, no qual aconselha o Governo a acabar com a limitação de táxis, a liberalizar preços e a limitar a regulação da qualidade.

"Ou seja, também ao nível da qualidade quem presta este tipo de serviços poder diferenciar a sua oferta e podermos evitar padronização dos serviços. Se todos os táxis tiverem a mesma aparência, o consumidor não consegue necessariamente distinguir diferentes tipos de serviço", afirmou na altura António Ferreira Gomes.

Sintetizando, "dar liberdade a quem está a prestar este tipo de serviço, incluindo os táxis, de poder ter a sua própria caracterização, tipo de serviço, obviamente salvaguardando o consumidor naquilo que são os requisitos necessários para sua segurança".

Em comunicado, a Federação Portuguesa de Táxi classificou estas recomendações de "ideias perigosas" que, a serem aplicadas, vão "destruir 20 anos de construção de normas para a devida regulação do setor táxi".

Segundo a Federação, com este relatório, "quase toda a frota automóvel circulante e quase todos os cidadãos poderiam prestar o serviço de transportes de passageiros, sendo que os requisitos de acesso à atividade ficariam moldados à vontade de interesses ainda pouco claros".

Além disso, a Federação Portuguesa de Táxi considera que a "desregulação aconselhada não defende os atuais profissionais do táxi e muito menos a segurança dos passageiros".

"A Federação Portuguesa de Táxi continua disponível para todo e qualquer diálogo sério sobre o futuro da mobilidade urbana, mas nunca será cúmplice de uma regressão social que pode destruir todo um setor económico", frisou no final.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.