Taxistas cancelam protesto de segunda-feira e são recebidos amanhã em Belém

"Não é o momento adequado para se fazer mais qualquer manifestação", defendeu Florêncio Almeida, presidente da Antral, após encontro com a Federação Portuguesa do Táxi

As duas associações representativas do setor do táxi anunciaram hoje que cancelaram o protesto agendado para segunda-feira. Os Representantes da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros ( ANTRAL) e da Federação Portuguesa do Táxi vão ser recebidos na sexta-feira às 15:00 no Palácio de Belém por um assessor do Presidente da República, disse à Lusa fonte da Presidência.

"Não é o momento adequado para se fazer mais qualquer manifestação, marcha lenta ou concentração", afirmou o presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida, após um encontro com a Federação Portuguesa do Táxi, em Lisboa.

Os representantes dos táxis reuniram-se depois de na segunda-feira terem bloqueado acessos na zona do aeroporto de Lisboa, na Rotunda do Relógio, durante mais de 15 horas, num protesto que deveria ter terminado na Assembleia da República.

Os taxistas contestam a proposta do Governo para regular a atividade das plataformas eletrónicas como a Uber e a Cabify (as únicas a operar em Portugal), às quais estão ligados operadores de transporte com carros descaraterizados.

O setor exige que o número de veículos afetos àquelas plataformas seja limitado, à semelhança do que acontece com os táxis, entre outras reivindicações, e tinha marcado um novo protesto para segunda-feira, junto ao Palácio de Belém e às câmaras do Porto e de Faro.

Florêncio Almeida disse hoje que, "não estando o Presidente da Republica [que vai estar na Suíça], não seria justo ir para Belém".

"Também não queremos colocar o Presidente da República sobre pressão porque o diploma do Governo ainda não foi aprovado, nem foi a Conselho de Ministros, estando ainda em discussão politica", frisou o presidente da ANTRAL, adiantando que vão esperar pelos "desenvolvimentos políticos" dos próximos dias.

Já o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, adiantou que vai ser pedida uma "audiência urgente com o Presidente da República até segunda-feira" e que, caso não sejam recebidos por Marcelo Rebelo de Sousa (que está na Suíça entre domingo e terça-feira"), vai manter-se a reunião agendada com os assessores do Palácio de Belém na próxima segunda-feira.

Carlos Ramos disse ainda aos jornalistas que a desconvocação do protesto "não pode ser entendida como um deixar cair de braços", sublinhando que o setor mantém dispostosa dialogar com o Governo.

"Vamos continuar a lutar pelos nossos objetivos", disse Carlos Ramos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.