Táxis parados em protesto no aeroporto. Dizem que um Uber atropelou um taxista

Federação Portuguesa do Táxi acusa condutor de ter agido "deliberadamente"

As associações representativas dos taxistas denunciaram hoje o atropelamento de um destes profissionais na última madrugada, em Lisboa, alegadamente por um condutor ao serviço da plataforma eletrónica de transporte individual Uber, que afirma desconhecer a situação.

"Um motorista da Uber atropelou deliberadamente um profissional do táxi e no momento da fuga ainda chocou de frente com um carro de uma médica que vinha em sentido contrário. A violência do atropelamento partiu as duas pernas ao nosso colega que se encontra neste momento no Hospital Amadora-Sintra, estando o diagnóstico clínico sob reserva", explica a Federação Portuguesa do Táxi (FPT), em comunicado assinado pelo presidente, Carlos Ramos.

Contactada pela Lusa, a Uber diz desconhecer a situação.

"A Uber não tem conhecimento deste incidente. Lamentamos e condenamos, como sempre temos feito, qualquer ato de violência independentemente de quem o pratica. Permanecemos sempre disponíveis para colaborar com todas as autoridades de forma a contribuir para a proteção da segurança pública", refere a Uber Portugal, em resposta escrita enviada à agência Lusa.

Contactado pela Lusa, o presidente da FPT, Carlos Ramos, contou que "mais de 400 táxis estão parados desde as 18:00 e até cerca das 20:00 no Aeroporto de Lisboa, como forma de solidariedade para com o colega atropelado", mas também para demonstrar a "revolta e indignação" perante a falta de atuação das autoridades face ao "transporte ilegal" da Uber.

Também em comunicado, a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) afirma que tomou conhecimento de que um seu associado "foi violentamente colhido por um veículo ao serviço da Uber".

No comunicado, o presidente da ANTRAL, Florêncio de Almeida, diz lamentar que esta situação aconteça depois de esta associação ter chamado "inúmeras vezes à atenção para o risco da atividade" destas plataformas e crítica a falta de atuação do regulador, Autoridade da Mobilidade e dos Transportes e dos tribunais para "mandar parar estes transportes ilegais".

A FPT, por seu turno, acrescenta que, apesar de a polícia não confirmar, esta federação diz saber que o alegado motorista da Uber responsável pelo atropelamento "acabou detido na zona de Rio de Mouro, concelho de Sintra.

Esta federação sublinha ainda ter em sua posse "registos que identificam o veículo Uber no local do atropelamento, captados por profissionais do táxi na Praça da Misericórdia", em Lisboa.

"A FPT responsabiliza politicamente o Governo por este violento acontecimento que se junta a muitos outros já vividos na capital, mas também no Porto (com pneus de táxis navalhados ou profissionais atingidos na cara com a espuma de extintores dos motoristas Uber)", frisa a nota.

Para Carlos Ramos, é a "inação do Governo", através do Ministério da Administração Interna, na fiscalização do transporte ilegal de passageiros e no cumprimento integral da lei 35/2016 "que está a alimentar uma crescente tensão social, explosiva".

A agência Lusa contactou o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, que disse desconhecer a situação relatada pelas duas associações de táxis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.