Táxis parados em protesto no aeroporto. Dizem que um Uber atropelou um taxista

Federação Portuguesa do Táxi acusa condutor de ter agido "deliberadamente"

As associações representativas dos taxistas denunciaram hoje o atropelamento de um destes profissionais na última madrugada, em Lisboa, alegadamente por um condutor ao serviço da plataforma eletrónica de transporte individual Uber, que afirma desconhecer a situação.

"Um motorista da Uber atropelou deliberadamente um profissional do táxi e no momento da fuga ainda chocou de frente com um carro de uma médica que vinha em sentido contrário. A violência do atropelamento partiu as duas pernas ao nosso colega que se encontra neste momento no Hospital Amadora-Sintra, estando o diagnóstico clínico sob reserva", explica a Federação Portuguesa do Táxi (FPT), em comunicado assinado pelo presidente, Carlos Ramos.

Contactada pela Lusa, a Uber diz desconhecer a situação.

"A Uber não tem conhecimento deste incidente. Lamentamos e condenamos, como sempre temos feito, qualquer ato de violência independentemente de quem o pratica. Permanecemos sempre disponíveis para colaborar com todas as autoridades de forma a contribuir para a proteção da segurança pública", refere a Uber Portugal, em resposta escrita enviada à agência Lusa.

Contactado pela Lusa, o presidente da FPT, Carlos Ramos, contou que "mais de 400 táxis estão parados desde as 18:00 e até cerca das 20:00 no Aeroporto de Lisboa, como forma de solidariedade para com o colega atropelado", mas também para demonstrar a "revolta e indignação" perante a falta de atuação das autoridades face ao "transporte ilegal" da Uber.

Também em comunicado, a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) afirma que tomou conhecimento de que um seu associado "foi violentamente colhido por um veículo ao serviço da Uber".

No comunicado, o presidente da ANTRAL, Florêncio de Almeida, diz lamentar que esta situação aconteça depois de esta associação ter chamado "inúmeras vezes à atenção para o risco da atividade" destas plataformas e crítica a falta de atuação do regulador, Autoridade da Mobilidade e dos Transportes e dos tribunais para "mandar parar estes transportes ilegais".

A FPT, por seu turno, acrescenta que, apesar de a polícia não confirmar, esta federação diz saber que o alegado motorista da Uber responsável pelo atropelamento "acabou detido na zona de Rio de Mouro, concelho de Sintra.

Esta federação sublinha ainda ter em sua posse "registos que identificam o veículo Uber no local do atropelamento, captados por profissionais do táxi na Praça da Misericórdia", em Lisboa.

"A FPT responsabiliza politicamente o Governo por este violento acontecimento que se junta a muitos outros já vividos na capital, mas também no Porto (com pneus de táxis navalhados ou profissionais atingidos na cara com a espuma de extintores dos motoristas Uber)", frisa a nota.

Para Carlos Ramos, é a "inação do Governo", através do Ministério da Administração Interna, na fiscalização do transporte ilegal de passageiros e no cumprimento integral da lei 35/2016 "que está a alimentar uma crescente tensão social, explosiva".

A agência Lusa contactou o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, que disse desconhecer a situação relatada pelas duas associações de táxis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.