Táxi substitui autocarro numa carreira que apenas serve duas crianças

A experiência da empresa de transportes poderá ser repetida em outros trajetos

Os Transportes Urbanos de Braga (TUB) substituíram autocarros por táxis numa carreira que "apenas serve duas crianças" nas deslocações de e para a escola.

Em declarações à Lusa, um dos administradores da empresa municipal de transportes da autarquia bracarense, Teotónio Santos, disse que se trata de uma "experiência pioneira" que pode ser replicada noutros trajetos, visando "poupança, conforto e flexibilidade" no serviço de transportes.

Teotónio Santos explicou que a carreira entre Ruilhe, "uma das freguesias limítrofes do concelho", e Tadim, é feita para cumprir a obrigação de assegurar o transporte escolar de duas crianças, "que iam sozinhas num autocarro de pelo menos 23 lugares (minibus), que fazia 72 quilómetros por dia".

Os autocarros foram, desde setembro e durante o primeiro período escolar, substituídos por um táxi, que assegura o transporte das duas crianças, fazendo um percurso de 45 quilómetros por dia.

"Há redução de quilómetros e de consumo - porque obviamente, um táxi consome menos que um autocarro, mesmo dos mais pequenos -, o que é bom para ambiente e positivo numa ótica de sustentabilidade", defendeu o responsável.

Segundo explicou, "um minibus gasta cerca de 20 litros aos 100, um táxi nem metade" pelo que, disse, "a diferença enorme e ninguém fica prejudicado".

Teotónio Santos destacou que "esta é uma forma eficaz de assegurar e garantir o serviço, mas de forma muito mais económica".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.