Tartarugas marinhas usam nascer do Sol para se orientarem e regressarem a casa

Estes répteis viajam grandes distâncias, até por águas desconhecidas, para regressar aos seus 'habitats'

Cientistas pensam que as tartarugas marinhas usam o nascer do Sol para se orientarem e regressarem a 'casa', revela hoje um estudo da Universidade James Cook, na Austrália.

Frequentemente, estes répteis, conhecidos pelas suas capacidades de orientação, viajam grandes distâncias, fazendo-o inclusive por águas desconhecidas para regressar aos seus 'habitats'.

Segundo o estudo, divulgado no portal da universidade australiana, as tartarugas parecem ajustar a direção dos seus percursos durante o amanhecer.

A equipa de cientistas capturou 22 tartarugas marinhas e transportou-as para outro lugar, que distava entre oito e 28 quilómetros das suas 'casas', e seguiu o seu trajeto por meio de satélite.

Em média, os animais viajavam oito horas e depois descansavam cerca de nove horas. Em seguida, mudavam de direção no final desta pausa, que, geralmente, acontecia às primeiras horas da manhã.

A investigação da Universidade James Cook sugere uma nova explicação para o sentido de orientação das tartarugas marinhas, já que há indícios de que estes répteis se apoiem nas correntes marítimas, nos ventos e nos sinais geomagnéticos (relativos ao magnetismo terrestre).

"Elas podem obter pistas importantes para direcionar os seus movimentos de curta distância durante o amanhecer, uma vez que se observou que as correções significativas [do percurso] ocorrem neste momento do dia", sustentou um dos autores do estudo, Takahiro Shimada, citado em comunicado da universidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.