Tartarugas marinhas usam nascer do Sol para se orientarem e regressarem a casa

Estes répteis viajam grandes distâncias, até por águas desconhecidas, para regressar aos seus 'habitats'

Cientistas pensam que as tartarugas marinhas usam o nascer do Sol para se orientarem e regressarem a 'casa', revela hoje um estudo da Universidade James Cook, na Austrália.

Frequentemente, estes répteis, conhecidos pelas suas capacidades de orientação, viajam grandes distâncias, fazendo-o inclusive por águas desconhecidas para regressar aos seus 'habitats'.

Segundo o estudo, divulgado no portal da universidade australiana, as tartarugas parecem ajustar a direção dos seus percursos durante o amanhecer.

A equipa de cientistas capturou 22 tartarugas marinhas e transportou-as para outro lugar, que distava entre oito e 28 quilómetros das suas 'casas', e seguiu o seu trajeto por meio de satélite.

Em média, os animais viajavam oito horas e depois descansavam cerca de nove horas. Em seguida, mudavam de direção no final desta pausa, que, geralmente, acontecia às primeiras horas da manhã.

A investigação da Universidade James Cook sugere uma nova explicação para o sentido de orientação das tartarugas marinhas, já que há indícios de que estes répteis se apoiem nas correntes marítimas, nos ventos e nos sinais geomagnéticos (relativos ao magnetismo terrestre).

"Elas podem obter pistas importantes para direcionar os seus movimentos de curta distância durante o amanhecer, uma vez que se observou que as correções significativas [do percurso] ocorrem neste momento do dia", sustentou um dos autores do estudo, Takahiro Shimada, citado em comunicado da universidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.