TAP promove vinhos nacionais no plano internacional

Companhia está à procura de pequenos e grandes produtores para alargar e diversificar a oferta de vinhos a bordo

A companhia aérea portuguesa está apostada em promover novos vinhos portugueses nos seus voos. Depois de vender 1,2 milhões de garrafas no ano passado, a TAP foi a maior montra dos produtos nacionais. Agora está à procura - com um concurso lançado em setembro - de pequenos e grandes produtores que se queiram associar à companhia. Serão comprados 2,5 milhões de garrafas nos próximos dois anos.

Desta forma, a TAP torna-se "o maior canal de comunicação e experimentação do vinho português em todo o mundo". Um objetivo que levou à criação da iniciativa TAP Wine Experience.

A par da promoção dos vinhos nacionais, a companhia pretende também garantir "maior qualidade e variedade" na sua carta de vinhos. Que passará a oferecer tintos, brancos, rosés, moscatéis, portos e espumantes aos viajantes.

Para conhecer e promover lá fora todas estas variedades, a TAP organizou, desde ontem e até amanhã, a TAP Wine Tour, para a qual convidou jornalistas, opinion makers e especialistas em vinhos, com especial enfoque nos mercados brasileiro e norte-americano. Durante três dias vão conhecer as principais regiões vinícolas do país, viajando a bordo da companhia.

A visita vai permitir aos participantes "ver o que cada região tem de melhor".

Ao mesmo tempo, a empresa de aviação vai proporcionar aos produtores que criem momentos de degustação e divulgação junto dos passageiros, nos 85 destinos para os quais a companhia vai operar até ao final de 2017. Desta forma pequenos, médios e grandes produtores terão oportunidade de fornecer a TAP, escolhendo os períodos e as rotas que melhor servirem as suas estratégias de internacionalização.

Os vinhos vão também estar associados à experiência Taste the Stars - lançado em abril - que junta cinco chefs nacionais distinguidos com estrela Michelin ao chef Vítor Sobral (consultor gastronómico da TAP) na criação de novas ementas a bordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.