PSP mata homem a tiro em operação no Vale da Amoreira

Agentes abordaram indivíduo que ripostou, ferindo um deles no peito com um machado

Um homem foi morto a tiro por um agente da PSP em Vale da Amoreira, na Moita, distrito de Setúbal. Dois agentes tentavam identificar o indivíduo na via pública quando este, usando um machado e uma faca, os agrediu. Um deles, que ficou ferido no pescoço com maior gravidade - mas não corre risco de vida - disparou e atingiu mortalmente o suspeito.

Ao DN, fonte do comando de Setúbal revelou que os polícias abordaram o suspeito na via pública no cumprimento de um mandado de detenção e o indivíduo "virou-se contra os agentes".

"Os dois elementos da PSP que costumam fazer notificações viram um indivíduo na rua que suspeitavam que tinha um mandado de detenção. Quando o abordaram para o identificar, sem que nada o fizesse prever, o indivíduo agrediu um agente com um machado e uma faca", adiantou à Lusa a comissária Maria do Céu, da PSP de Setúbal.

Na sequência desta agressão, "o agente da PSP foi obrigado a disparar em legítima defesa", acrescentou. O outro agente no local também sofreu ferimentos, um corte ligeiro no braço, e foi assistido, mas já teve alta hospitalar.

"O agente da PSP sofreu ferimentos com um machado e uma faca na zona do peito, perto do pescoço. Não sabemos ainda a exata gravidade dos ferimentos, está no hospital, mas não corre risco de vida", referiu a mesma fonte.

O alerta para o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal foi dado às 10:44; o caso ocorreu na Avenida Almada Negreiros, no Vale da Amoreira.

"O agente da PSP foi transportado para o hospital do Barreiro, com ferimentos graves, enquanto o outro envolvido se encontrava já cadáver", disse fonte do CDOS.

Segundo a mesma fonte, estiveram no local 39 operacionais e dez veículos, da PSP, GNR, dos bombeiros da Moita e dos bombeiros Sul e Sueste, do Barreiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.