PSP mata homem a tiro em operação no Vale da Amoreira

Agentes abordaram indivíduo que ripostou, ferindo um deles no peito com um machado

Um homem foi morto a tiro por um agente da PSP em Vale da Amoreira, na Moita, distrito de Setúbal. Dois agentes tentavam identificar o indivíduo na via pública quando este, usando um machado e uma faca, os agrediu. Um deles, que ficou ferido no pescoço com maior gravidade - mas não corre risco de vida - disparou e atingiu mortalmente o suspeito.

Ao DN, fonte do comando de Setúbal revelou que os polícias abordaram o suspeito na via pública no cumprimento de um mandado de detenção e o indivíduo "virou-se contra os agentes".

"Os dois elementos da PSP que costumam fazer notificações viram um indivíduo na rua que suspeitavam que tinha um mandado de detenção. Quando o abordaram para o identificar, sem que nada o fizesse prever, o indivíduo agrediu um agente com um machado e uma faca", adiantou à Lusa a comissária Maria do Céu, da PSP de Setúbal.

Na sequência desta agressão, "o agente da PSP foi obrigado a disparar em legítima defesa", acrescentou. O outro agente no local também sofreu ferimentos, um corte ligeiro no braço, e foi assistido, mas já teve alta hospitalar.

"O agente da PSP sofreu ferimentos com um machado e uma faca na zona do peito, perto do pescoço. Não sabemos ainda a exata gravidade dos ferimentos, está no hospital, mas não corre risco de vida", referiu a mesma fonte.

O alerta para o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal foi dado às 10:44; o caso ocorreu na Avenida Almada Negreiros, no Vale da Amoreira.

"O agente da PSP foi transportado para o hospital do Barreiro, com ferimentos graves, enquanto o outro envolvido se encontrava já cadáver", disse fonte do CDOS.

Segundo a mesma fonte, estiveram no local 39 operacionais e dez veículos, da PSP, GNR, dos bombeiros da Moita e dos bombeiros Sul e Sueste, do Barreiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."