Surto de legionella faz terceira vítima mortal. Há 43 casos confirmados

Das seis pessoas que, até à data, estiveram internadas nos cuidados intensivos, três não resistiram à doença

O número de mortos por legionella no surto que terá tido início no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, subiu para três, anunciou hoje a Direção-geral da Saúde (DGS).

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, revelou que morreu, esta noite, uma mulher de 68 anos infetada com legionella no hospital São Francisco Xavier.

E indicou também que o número de infetados por legionella aumentou para 43 casos, no surto que começou a 31 de outubro. O balanço indica mais dois casos do que o anterior, feito na quinta-feira.

Das seis pessoas que, até à data, estiveram em cuidados intensivos, três não resistiram à doença, indicou a diretora-geral da Saúde. Graça Freitas referiu ainda que o surto, tendo em conta o período de incubação, deverá estar agora a entrar numa fase decrescente e que a maioria dos infetados são idosos. Aqueles que têm outras doenças ou patologias respiratórias são os que estão mais vulneráveis à doença.

De acordo com a responsável, o número de novos casos diários passará a ser esporádico e o surto deverá ser dado com controlado dentro de "poucos dias".

O Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, recebeu nos últimos dias um volume anormal de chamadas de utentes com medo de ir às consultas por causa do surto de legionella, Houve um pico de chamadas de pessoas que têm receio de se deslocar ao hospital. "Foram desmarcadas muitas consultas importantes", adiantou fonte daquela unidade hospitalar. Entre os infetados, soube o DN, há dois funcionários do hospital: um eletricista e uma auxiliar.

Foram desmarcadas muitas consultas importantes

Na segunda-feira, adianta a mesma fonte, "os corredores estavam vazios, porque as pessoas faltaram às consultas. Não havia o movimento que é normal. Parecia fim de semana".

De acordo com a revista Sábado, foram "confirmados pelo menos quatro focos de contaminação" no Hospital São Francisco Xavier: "Dois dos resultados positivos, onde foi identificada a bactéria, referem-se a duas torres de refrigeração do hospital e os outros dois a pontos de água".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.