Startup que quer pôr 'robots' a ensinar crianças vence 'pitch'

Kubo, o robô educacional da Dinamarca que propõe ensinar programação a crianças foi a 'startup' vencedora e vai receber 100 mil euros de investimento

A 'startup' dinamarquesa Kubo Robot foi a 'startup' vencedora da competição de 'pitch' na Web Summit 2016 e vai receber 100 mil euros de investimento da sociedade de capital de risco pública Portugal Ventures.

O anúncio foi feito por Theresia Gouw, sócia fundadora da Aspect Ventures e um dos elementos do júri, que avaliou os três finalistas e que subiu ao palco com o fundador da Web Summit, o irlandês Paddy Cosgrave.

Ao longo dos últimos dois dias, 200 'startups' (empresas em início de atividade) batalharam intensivamente pelo prémio, mas apenas três chegaram à competição de 'pitch', onde tinha de fazer breve apresentação de uma empresa de três a cinco minutos: a Kubo Robot, a SoilTron e a PapayaPods.

O Kubo é um robô educacional oriundo da Dinamarca e propõe-se ensinar programação a crianças. Começou como um projeto do Laboratório de Tecnologia Social da Universidade da Dinamarca do Sul com o objetivo de desenvolver novas formas de ensinar tecnologia às crianças mais jovens.

A 'startup' do Chipre, SoilTron, apresentou-se como uma tecnologia revolucionária capaz de produzir eletricidade ilimitada a partir do solo e que pode ser integrada com várias aplicações.

A PapayaPods, que nasceu na Suíça, é uma plataforma grátis direcionada para o mercado de arrendamento que pode ser utilizada por quem tem casas para alugar ou por quem anda à procura de um espaço.

A 'startup' vencedora vai receber 100 mil euros de investimento da sociedade de capital de risco pública Portugal Ventures.

Os vencedores foram escolhidos por Theresia Gouw, Steve Anderson, fundador da Baseline Ventures, e Marcus Segal, sócio do acelerador Y Combinator.

O vencedor beneficiará também da rede nacional e internacional de investidores, corporações, entre outros, da Portugal Ventures em Silicon Valley, na Costa Leste dos Estados Unidos, na Alemanha e no Reino Unido.

A 'startup' portuguesa Codacy foi a vencedora do 'pitch' da Web Summit de 2014.

A Portugal Ventures também promoveu a Venture Summit, a principal conferência da Web Summit para capitais de risco, que trouxe a Lisboa mais de 500 participantes, entre os investidores mais influentes dos principais fundos internacionais, 'business angels' (investidores privados e individuais) de topo e aceleradores, num evento de apenas um dia e numa sala onde estava representado mais de 100 mil milhões de dólares (perto de 92 mil milhões de euros) de capital de investimento.

A Web Summit de Lisboa, que arrancou na segunda-feira e chega esta quinta-feira ao fim, conta com mais de 53.000 participantes, de 166 países, incluindo 15.000 empresas, 7.000 presidentes executivos e 700 investidores.

Entre os oradores estão fundadores e presidentes executivos das maiores empresas de tecnologia, bem como importantes personalidades das áreas de desporto, moda e música.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.