Sotavento e Baixo Alentejo em seca fraca

A área em situação de seca aumentou no mês passado e representa agora quase 10% do território de Portugal continental

As regiões do sotavento Algarvio e Baixo Alentejo encontravam-se no final de julho em situação de seca fraca, segundo informação disponível hoje na página da Internet do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o índice meteorológico de seca, referido no Boletim Climatológico do IPMA referente ao mês de julho, verificou-se em relação a junho um ligeiro aumento da área em situação de seca na região do sotavento Algarvio e Baixo Alentejo, que representa agora 9,3 por cento do território de Portugal continental.

No final de junho não existia situação de seca em todo o território, exceto já numa pequena área do sotavento algarvio.

O IPMA classifica em nove classes o índice meteorológico de seca que varia entre "chuva extrema" e "seca extrema".

Segundo dados do Boletim Climatológico do IPMA, o mês de julho foi o segundo mais quente desde 1931, com médias de temperaturas máximas e mínimas muito superiores ao normal.

O mês passado foi caracterizado pelo Instituto por valores médios muito altos da temperatura do ar, só ultrapassados em 1989.

O IPMA indica que o valor médio da temperatura do ar foi de 24,33 graus Celsius (em julho de 1989 foi de 24,63), mais de dois graus em relação ao valor médio no período 1971-2000.

Ainda segundo os números do IPMA, o valor médio da temperatura máxima do ar no mês passado foi de 32,19 graus celsius, o mais alto desde 1931.

O valor médio da temperatura mínima, 16,47 graus, também foi ligeiramente superior ao normal e foi o oitavo mais alto desde 1931.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.