Solstício: o dia mais longo do ano anuncia 93 dias de verão

Em Stonehenge, no Reino Unido, dez mil pessoas assistiram ao nascer do sol

Às 11h07 desta quinta-feira, dia 21 de junho, ocorreu o solstício de verão, um evento astronómico marcado pela posição da Terra em relação ao sol e que marca o início do verão no hemisfério norte e do inverno no sul. É o dia mais longo do ano - em 2018 a duração foi de apenas mais um segundo - mas sobretudo marca a cadência dos dias que se seguem: teremos luz durante mais horas. A partir de hoje o verão prolonga-se por 93 dias até ao próximo equinócio, a 23 de setembro de 2018.

Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa, a duração do dia no solstício de verão é "efetivamente a mais longa" do ano. A 21 de junho de 2018 o disco solar nasceu às 6:11 horas e o pôr do sol será às 21:04.

O Observatório explica: solstícios são "pontos da eclíptica em que o sol atinge as alturas (distância angular) máxima e mínima em relação ao equador, isto é, pontos em que a declinação solar atinge extremos: máxima no solstício de Verão (+23° 26′) e mínima no solstício de Inverno (-23° 26′)". No dia em que o hemisfério norte entra no verão, é possível observar que o sol está muito alto no céu.

A palavra é de origem latina (solstitium) e está relacionada com o facto do sol travar o seu movimento diário de afastamento ao plano equatorial e "estacionar" ao atingir a sua posição mais alta ou mais baixa no céu.

A razão pela qual há um solstício no verão é a mesma que justifica a existência de estações. A Terra também gira em torno do sol e esse movimento - denominado translação - é o que determina a duração dos anos. Associado à inclinação do eixo de rotação da Terra, demanda que tenhamos estações diferentes ao longo de 365 dias.

Stonehenge: o melhor lugar do mundo para assistir à passagem de estação?

Esta é também uma das datas mais aguardadas no Reino Unido. É aqui que se situa o monumento neolítico Stonehenge, classificado Património Mundial da Humanidade e que atrai mais público pelo significado do que pela arquitetura. São muitas as teorias e lendas que tentam explicar a existência do círculo de pedras.

Um sítio onde se coroavam reis ou um templo druida - é comum vermos alguns visitantes vestidos com longas túnicas brancas.- ou um instrumento astronómico que servia para prever eclipses e outros eventos celestes. Há ainda quem defenda que o misterioso círculo de pedras foi um cemitério ou um memorial aos mortos, e quem o associe à lenda do rei Arthur.

No entanto, a teoria que reúne mais consenso é a de que Stonehenge foi um templo pré-histórico alinhado com os movimentos do sol. E houve sempre quem aqui se juntasse para esperar o primeiro amanhecer de verão.

Este ano, quase 10 mil pessoas receberam com aplausos os primeiros raios solares que surgiram às 4:52 da manhã. O ambiente foi descrito como "amigável" e pleno de "espírito positivo". Houve quem pintasse o nascer do sol e alguns grupos praticaram yoga ao amanhecer. Embrulhados em cobertores, encostados às pedras milenares, muitos visitantes olhavam o céu, numa atitude de deslumbramento.

É um momento especial, não só devido ao solstício, mas sobretudo porque esta é uma das raras ocasiões em que o público pode visitar Stonehenge. De acordo com a BBC, as normas de segurança ficaram ainda mais restritas em 2018, e houve vários guardas armados junto ao monumento.

Segundo a polícia de Wiltshire, "as pessoas parecem ter-se adaptado muito bem ao alto nível de segurança e foram muito pacientes". O próprio comandante da polícia, Dave Minty, ficou rendido ao momento. "O nascer do sol foi espetacular e não costumamos assistir a muitos como este", contou.

A verdade é que Stonehenge foi construído de forma a que as suas pedras mostrassem a transição do sol no dia mais longo e no dia mais curto do ano de uma forma impressionante. Estivemos sempre de olhos postos no céu, a admirar o que não compreendíamos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.