Socorristas da Cruz Vermelha posam para calendário

Fardas, batas e penteados pinup numa iniciativa para apoiar as obras da sede em Paredes

As socorristas da Cruz Vermelha de Vilela, em Paredes, posaram para um calendário. Por uma boa causa, 12 socorristas usaram o uniforme de forma diferente e participaram numa produção fotográfica de que vai resultar um calendário para o ano 2016, tal como tinham feito em 2015. O objetivo é angariar dinheiro para concluir as obras na sede do posto de socorro.

"No ano passado, vendemos cerca de três mil exemplares e ainda contámos com a ajuda das empresas da freguesia que patrocinaram todos os custos com a produção e impressão", explicou Mariana Silva, em entrevista ao Jornal de Notícias. "Por ter corrido bem decidimos voltar a fazer um calendário", continuou a coordenadora do projeto este ano.

A sessão fotográfica ocorreu nas divisões da sede da delegação de Vilela da Cruz Vermelha e numa quinta abandonada e cada calendário custa cinco euros.

"Fazemos tudo isto para angariarmos verba para a conclusão das obras da sede", explicou Mariana Silva. "Com o dinheiro do ano passado, já avançamos um pouco mas o orçamento é avultado".

As socorristas optaram por um estilo sensual, que relembra as pinups dos anos 50, mas sempre com a farda a mostrar a verdadeira vocação destas mulheres.

VEJA AQUI O MAKING OF

"Este ano utilizámos um estilo antigo e decidimos usar todos os fardamentos antigos da Cruz Vermelha Portuguesa", disse a responsável.

No calendário 2016 o público poderá recordar as diversas fardas da Cruz Vermelha e a história da instituição. As socorristas apresentam-se com batas brancas, verdes tropa, pretas e beges.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.