Sobreiro assobiador pode ser Árvore Europeia do Ano 2018

Portugal está pela primeira vez na iniciativa, que decorre até dia 28 de fevereiro. Votação é feita online e toda a gente pode participar. Resultado é conhecido a 21 de março

Quando foi plantado, mesmo no centro de Águas de Moura, em 1874, reinava em Portugal a rainha D. Maria I, que nesse mesmo ano mandou inaugurar iluminação pública em Lisboa. Lá fora, o mundo fervilhava: Lavoisier inventava a química e descobria a composição da água, Kant publicava a sua filosofia, Mozart compunha concertos para piano. Desde então, o mundo mudou muito e o pequeno sobreiro de Águas de Moura, no concelho de Palmela, cresceu e atravessou os séculos. Hoje, com os seus 234 anos e 16,2 metros de altura, chamam--lhe o sobreiro assobiador, por causa dos pássaros que ao fim da tarde se juntam na sua imensa copa a chilrear, e é bem possível que ganhe o prémio Árvore Europeia do Ano 2018 a 21 de março. A votação é até 28 de fevereiro, neste site,

Portugal entra este ano pela primeira vez no concurso Árvore Europeia do Ano com esta velha, mas muito frondosa, árvore - a sua copa tem uns soberbos 29,4 metros de diâmetro e o tronco anda pelos 5,24 -, que é uma espécie de símbolo de todas as árvores de Portugal.

Foi por isso, aliás, que a UNAC - União da Floresta Mediterrânica, que reúne as associações de produtores florestais da Beira Interior até à costa algarvia, a escolheu para representar o país nesta estreia no concurso europeu.

Este sobreiro, a que também chamam casamenteiro na aldeia, porque sob ele já namoraram parezinhos de muitas gerações, "é o maior e o mais mais antigo do país", explica Nuno Calado, da UNAC, a entidade que organizou esta primeira participação de Portugal.

"Este ano, porque estamos a entrar pela primeira vez na competição, foi a UNAC que escolheu a árvore, mas para a próxima edição a escolha será feita de outra forma, com uma votação online para o público eleger a árvore que vai representar Portugal em 2019, e já estamos a preparar isso", esclarece Nuno Calado.

Promovida pela fundação checa Czech Environmental Partnership Foundation, com o apoio da European Landowner Organization e de eurodeputados checos, a competição A Árvore Europeia do Ano iniciou-se em 2011, e desde então tem registado sempre um número crescente de países participantes: de cinco, em 2011, para os atuais 13.

"Apercebemo-nos deste concurso porque a UNAC é membro de um dos seus organizadores, a European Landowner Organization, e então decidimos participar", conta Nuno Calado.

A escolha da árvore era quase óbvia: "Pensámos que tinha de ser um sobreiro porque é uma árvore emblemática de Portugal", explica o responsável. Afinal, entre as árvores, esta tem por cá um currículo incomparável e, por isso, "simboliza um pouco a árvore nacional".

Se falarmos de cortiça, estamos em sede de recordes e de números sempre altos. "Portugal é o primeiro exportador de cortiça do mundo, e também o primeiro na sua transformação industrial", explica Nuno Calado, sublinhando que "no ano passado, o valor das exportações do setor rondou os mil milhões de euros". É assim uma árvore "muito relevante pelo seu peso económico para o país". Mas não é tudo. Na prática, representa um total de 700 mil hectares da floresta portuguesa, "que gera emprego e riqueza", além dos importantes serviços que presta enquanto ecossistema. "É um habitat de grande biodiversidade, que abriga espécies emblemáticas como o lince-ibérico e a águia-real e que depende da gestão do homem para funcionar desta forma", adianta Nuno Calado. "Se não for gerido, enche-se de mato e deixa de prestar esses serviços", nota.

Por tudo isto, e porque o sobreiro assobiador é uma árvore muito singular, recaiu sobre ele a escolha. "No dia 21 de fevereiro, o último dia em que o número de votos era visível, o sobreiro estava à frente", diz satisfeito Nuno Calado. Desde aí, e até 28 de fevereiro, o último dia da votação, os resultados não estão visíveis. Mas, para o sobreiro assobiador ganhar, só há uma maneira: é ir lá votar.

Originalmente este era um concurso realizado apenas na República Checa. Desde 2011, tornou-se uma competição. Este ano há 13 países que apresentam árvores a concurso: Portugal, que entra pela primeira vez, Espanha, Rússia, Bulgária, Hungria, Bélgica, Croácia, Lituânia, Polónia, Roménia, Eslováquia, Reino Unido e, claro, República Checa. A árvore vencedora será conhecida a 21 de março, no Dia Internacional da Floresta. A cerimónia de entrega do prémio decorre no Parlamento Europeu, em Bruxelas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.