Só dinheiro de Bruxelas pode salvar a linha de comboio de Cascais

Estado pediu 126 milhões de euros à Comissão Europeia para modernizar a linha. O projeto deverá ficar concluído no final de 2021

A linha é antiga, tem uma tensão diferente da do resto do país e, por isso, os comboios que aí circulam também são únicos em Portugal. Únicos e antigos. Falamos da Linha de Cascais, cuja urgência de intervenção se discute há anos mas nunca avançou. Agora, pode acontecer: o governo vai pedir 126 milhões de euros do Plano Juncker para mudar a eletrificação da linha. Uma obra que deve estar concluída no final de 2021 e que há muito os autarcas da zona reclamam.

Só depois disso acontecer, podem circular novos comboios. São eles os principais alvos das críticas dos passageiros que se queixam dos atrasos e das vezes que avarias os deixaram parados a meio do percurso. A CP e a EMEF (Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, entidade responsável pela reparação das composições) admitem que o material desta linha passa mais tempo na oficina e exige mais reparações, mas garantem existir comboios suficientes para substituir os que circulam em caso de avaria. "Temos 30 unidades, 26 estão a circular todos os dias, o que permite ter quatro de reserva ou em reparações", aponta o engenheiro José Rola, responsável da EMEF.

Um esforço que passa despercebido a quem usa esta linha todos os dias. Uma utilizadora frequente da ligação entre Algés e o Cais do Sodré lamenta as vezes em que ficou sem comboio porque esse horário foi cancelado como quando ficou parada dentro do comboio meia hora sem nenhum aviso, para perceber mais tarde tratar-se de uma avaria. No entanto, há passageiros que também elogiam a precisão com que os horários são cumpridos nesta ligação.

Depois de uma quebra no número de utilizadores, a verdade é que os números da CP mostram uma recuperação. No ano passado foram transportados "cerca de 24 milhões de passageiros", o que representa "um crescimento de 2% face ao ano anterior", refere a empresa. Em média, nos dias úteis viajaram nestes comboios 90 mil pessoas.

Modernização da linha: take 3

A antiguidade da Linha de Cascais e a ausência de intervenção de fundo há décadas têm levado as autarquias onde esta passa - Lisboa, Oeiras e Cascais - a reclamar a sua modernização. Só na última década, já esteve programada e até encomendados novos comboios (no primeiro governo de José Sócrates), depois a linha esteve para ser concessionada (durante o governo de Passos Coelho) e agora o executivo apresentou um programa com recurso a fundos europeus.

"A linha já está em muito mau estado há muitos anos, mas as composições também", aponta o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras. O autarca lamenta ainda que neste momento não estejam a ser incluídas as autarquias na discussão do futuro da linha.

A mesma urgência na requalificação é reconhecida pela Câmara de Oeiras. "A intervenção na linha é urgente no sentido não só de ultrapassar os constrangimentos agora identificados como também de promover a inversão da evolução negativa na procura de passageiros", refere o autarca Paulo Vistas. Só a Câmara de Lisboa não quis comentar a situação desta linha, enquanto decorrem as negociações sobre a gestão dos transportes urbanos.

Os outros dois autarcas esperam que o dinheiro que o governo vai pedir ao abrigo do Plano Juncker seja suficiente para resolver o problema. Embora levantem dúvidas: "Parece ser muito pouco, se for considerada só a apresentação da reconversão da eletrificação e renovação da segurança, sem uma perspetiva de integrar a Linha de Cascais na rede ferroviária metropolitana, com a inclusão de uma efetiva renovação do material circulante", aponta o presidente da Câmara de Oeiras.

Também Carlos Carreiras considera curto o plano do governo e gostava que as autarquias tivessem uma palavra a dizer agora que se prepara uma restruturação da gestão dos transportes públicos. "Podíamos aproveitar este momento para coordenar os transportes rodoviários com os ferroviários numa solução eficaz que permitisse recuperar clientes, coordenando os horários e os parques de estacionamento, por exemplo." O autarca eleito pelo PSD lembra que atualmente 66% das movimentações são feitas de carro e apenas 11% através da Linha de Cascais.

O projeto do governo é incluir a Linha de Cascais nos apoios do Plano Juncker. Pede 126 milhões de euros para modernizar o sistema de sinalização e de eletrificação da linha, bem como a modernização das estações. Tudo deve estar concluído no final de 2021. O objetivo é mudar a voltagem da linha para que seja compatível com a do resto do país. A Linha de Cascais é a única candidata ao Plano Juncker, no Plano de Investimentos Ferroviários 2016-2020, apresentada pelo governo. No total vão ter intervenção 1193 quilómetros de linha de norte a sul do país, entre construção nova, modernização ou eletrificação da existente.

Depois desta intervenção, vai ser preciso ter comboios para aí circular. Um investimento que a CP está a estudar. Em declarações recentes, à Lusa, o presidente da empresa, Manuel Queiró, disse estar "a fazer a sua parte do trabalho para ter um novo comboio para a Linha de Cascais assim que existam condições estruturais". O Ministério do Planeamento e Infraestruturas confirmou que "a aquisição de material circulante é da responsabilidade da CP", mas indicou que não há "para já qualquer anúncio a fazer sobre essa matéria".

A sala de primeiros socorros

Ao fundo da sala ampla onde existem quatro linhas de comboio ouve-se a buzina de um. "Como estamos dentro da cidade os comboios testam a buzina aqui dentro antes de saírem", explica o responsável da EMEF, José Rola.

Estamos nas oficinas de Oeiras, as que prestam os primeiros socorros aos comboios únicos da Linha de Cascais. Neste momento, há uma unidade (leia-se comboio) a mudar os motores e a ser ensaiada para voltar à circulação. Não há dúvidas de que os comboios desta linha são velhos - da década de 1960 - mas há 30 profissionais que aqui trabalham em conjunto com colegas na oficina do Entroncamento (onde são feitas as grandes revisões dos comboios) para manter estes aparelhos a funcionar sem falhas.

"Se contarmos desde o ano em que foram feitos, sim, o equipamento tem muitos anos, mas a verdade é que tem componentes que estão a zero, como se não tivessem desgaste", explica o responsável da oficina. Ou seja, não há peças novas: o segredo da longa vida das carruagens de Cascais está na constantes reciclagem e renovação dos vários elementos rotáveis (leia-se elementos que circulam). É o caso dos rodados, dos motores ou dos ares condicionados.

Mas para que a renovação de material seja possível é necessário manter um apertado ciclo de revisões. A mais simples é feita mensalmente: "Quando a composição atinge os 8800 km vem à oficina fazer uma visita programada. Fazemos uma inspeção às componentes ou trocas da material", explica José Rola. Esta inspeção é variável de acordo com o tipo de comboios. Aqui é a cada 8800 km, na Linha de Sintra, por exemplo, os comboios aguentam até aos 12 500 quilómetros, o que corresponde também a um mês de circulação.

Seguem-se outras reparações programadas, como a mudança de motores aos 400 000 km. A cada 16 anos, que é como quem diz a cada 1,6 milhões de quilómetros, fazem a maior reparação de todas. "Saem as peças todas, fica só o esqueleto." São precisos 50 dias para dar a volta ao comboio. Nas visitas mensais ficam apenas cinco a dez dias.

No dia-a-dia, existem, no entanto, também imprevistos que levam comboios ao mecânico de urgência. "Alguma peça que falha ou um ato de vandalismo, como um vidro partido, são coisas que acontecem." Para dar resposta, existem em regra composições suplentes. A frota é constituída por 30 e apenas são necessários 26 a circular em simultâneo. Também existe capacidade para tirar um comboio de circulação por apenas algumas horas para substituir um vidro, arranjar uma porta e depois volta à circulação.

Entre as particularidades da linha conta-se ainda o desgaste nos rodados ser mais concentrado num lado, porque o percurso é pendular e não circular. E a proximidade do mar, que faz que os ares condicionados sejam afetados pela salinidade.

Ler mais

Exclusivos