Não tem teclado nem ecrã. Mas o telemóvel do futuro foi "roubado" há 20 anos

O smartphone foi apresentado em janeiro e foi notícia em todo o mundo. Agora, outro designer diz ter criado a ideia em 1996

O Alo foi apresentado no final do mês janeiro e quer ser o smartphone do futuro. Este dispositivo não tem teclado nem ecrã e projeta em 3D as mensagens, imagens e vídeos. Além de ler em voz alta as mensagens e e-mails, o Alo permite ditar mensagens ao invés de escrever.

O telemóvel é gelatinoso - para se adaptar melhor à mão - e tem uma pele que se repara automaticamente assim que é danificada. "É a verdadeira inteligência artificial", disse o designer Jerome Olivet, numa entrevista ao site de arquitetura e design Dezeen.

A apresentação do Alo atraiu a atenção de várias pessoas e meios de comunicação social que divulgaram este projeto mas, esta semana surgiu uma polémica sobre a verdadeira autoria do Alo.

Olivet apresentou o Alo no seu site dizendo que o tinha criado em parceria com o designer Philippe Starck, um dos mais aclamados no mundo da tecnologia e design. Contudo, Starck emitiu um comunicado esta quinta-feira em que acusa Olivet de divulgar informações falsas e roubar um projeto que fez há mais de 20 anos.

Stark afirma que criou o Alo sozinho em 1996, quando era diretor artístico da empresa de eletrónica Thomson, onde Olivet também trabalhava, e que apenas descobriu que a sua ideia estava a ser usada por outra pessoa pelos meios de comunicação.

Philippe Starck disse estar "orgulhoso por ver um projeto com mais de 20 anos ainda descrito como revolucionário", mas diz que tudo não passa de "informações falsas divulgadas por uma pessoa que está obviamente à procura de sucesso". No mesmo comunicado, o famoso designer ameaça colocar Olivet em tribunal, segundo a revista de arquitetura e design Dezeen.

No site de Starck o projeto também aparece como uma criação antiga, feita em 1996.

Olivet respondeu ao comunicado de Starck dizendo que o Alo tinha a longevidade da Mona Lisa de Da Vinci. "A Mona Lisa de Leonardo Da Vinci tem mais de 500 anos e continua linda e enigmática. O tempo não conta quando a ideia é boa", disse Olivet.

"Considero o Alo uma resposta mais eficaz [agora] do que há 20 anos", continuou o designer, segundo a Dezeen. "O Alo é a visão do smartphone de amanhã".

Oliver afirmou que vai continuar a desenvolver o produto mesmo sem Starck e, por outro lado, este garantiu que se vai "opor à apropriação ou reciclagem" dos seus trabalhos passados.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?