Sites de promoções oferecem cirurgias low cost

Uma cirurgia estética tem custos associados para que as condições de segurança e qualidade possam ser asseguradas

"1.499 euro em vez de 4.670 euro por rinoplastia estética fechada de correção e redução. Harmonize o seu rosto!" O anúncio refere-se a uma clínica em Lisboa e estava ontem disponível num conhecido site de promoções. Trata-se de um desconto de 68% numa cirurgia de correção de deformidades no nariz.
É comum surgirem promoções nas cirurgias estéticas, sobretudo nas mamoplastias de aumento. Mas é preciso ter atenção a quem vai realizar a intervenção e em que condições. Em alguns casos, os baixos preços praticados podem ser um indício de que os procedimentos são efetuados sem o devido controlo médico.

"Se as pessoas que não têm os conhecimentos de um cirurgião plástico praticassem os mesmos preços, as pessoas escolheriam os médicos qualificados", afirma Celso Cruzeiro presidente da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética (SPCPRE).

O problema dos atos feitos por não médicos ou por clínicos de outras especialidades não é exclusivo de Portugal. Na América Latina, por exemplo, é ainda mais grave. "Há pessoas que injetaram óleo de coco na face e silicone das casas nos seios", recorda Celso Cruzeiro. No âmbito do Congresso Ibérico de Cirurgia Plástica, a SPCPRE quer alertar a população para que se certifique da formação da pessoa que vai realizar os procedimentos: "Isto não é inócuo. Pode dar problemas. É importante que as pessoas vejam bem aquilo que escolhem."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.