Sistema Andante com mais 36 linhas a partir de hoje

Uma 'app' ainda em desenvolvimento vai permitir ao utente validar as suas viagens com um cartão virtual

O sistema intermodal 'Andante', que permite viajar em vários tipos de transportes públicos no Grande Porto, conta a partir de hoje com 36 novas linhas e três novos operadores, passando a um total de 165 carreiras.

O alargamento do 'Andante' resulta de um acordo a ser hoje assinado com a presença do ministro do Ambiente, José Pedro Matos Fernandes, e que "perspetiva melhorar a qualidade de vida da população com a integração de todas as linhas de transporte público, que servem a Área Metropolitana do Porto, no sistema intermodal", refere a tutela em comunicado.

O acordo compreende a soma de 36 novas linhas às 129 já existentes e a adesão de três novos operadores, perfazendo o total de 14 operadores.

No final de julho, a comissão executiva do Conselho Metropolitano do Porto (CmP) estimou ter em dezembro aprovado o estudo de revisão do mapa do zonamento do título único para os transportes públicos na Área Metropolitana do Porto (AMP).

Este estudo visa estender este título de transporte -- Andante -- a concelhos que se situem fora "da coroa central" da região.

No âmbito do trabalho desenvolvido pela AMP desde que assumiu as competências da extinta Autoridade de Transportes do Porto, em agosto do ano passado, foram validadas 988 carreiras de transporte rodoviário de passageiros.

Também para hoje está prevista a assinatura um protocolo entre os transportes Intermodais do Porto e a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) que irá desenvolver uma nova aplicação para telemóvel, "Mobile Ticketing".

Esta 'app' vai permitir ao utente validar as suas viagens com um cartão virtual, para além de disponibilizar informação sobre horários e preços, o que simplifica e elimina obstáculos à utilização dos transportes públicos.

A cerimónia de adesão ao acordo do Sistema Intermodal Andante está marcada para as 16:30 na estação de metro do Campo 24 de Agosto, no Porto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.