Sindicatos da PSP formam união para exigir descongelamento das carreiras

De acordo com a União dos Sindicatos da PSP, esta "união visa defender os direitos de todos" os polícias no que diz respeito às carreiras dos agentes, chefes e oficiais

Os sindicatos da PSP juntaram-se para constituir a União dos Sindicatos da PSP (USP) com o objetivo de realizarem iniciativas em conjunto para exigir ao Governo o descongelamento das carreiras dos polícias, foi anunciado esta quinta-feira.

Em comunicado, a USP adianta que esta estrutura é composta por todos os sindicatos da Polícia de Segurança Pública e esta "união visa exclusivamente defender os direitos de todos" os polícias no que diz respeito às carreiras dos agentes, chefes e oficiais.

Segundo a USP, as estruturas sindicais da polícia estiveram reunidas esta semana e decidiram realizar várias iniciativas conjuntas para exigir ao Governo que descongele a carreira de todos os elementos da PSP no próximo Orçamento do Estado de 2018

"Não é aceitável que não sejam descongeladas as carreiras, nem atualizado o sistema remuneratório da grande maioria dos polícias desde 2005, apesar do novo Estatuto Pessoal da PSP, aprovado em 2015, contemplar tal medida", refere a USP, sem especificar as iniciativas a adotar.

A PSP tem 14 sindicatos e é a primeira vez que se juntam.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.