Sindicato médico denuncia ilegalidades no otorrino de Santa Maria

Sindicato dos Médicos da Zona Sul fala em "mecanismos clientelares" e "compadrio político"

O Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) acusou esta terça-feira o serviço de Otorrinolaringologia (ORL) do Hospital de Santa Maria de viver uma situação escandalosa de "mecanismos clientelares" e de "compadrio político".

Em comunicado a estrutura explica que foi nomeado um diretor do serviço de ORL com menos formação técnica do que outros oito médicos do mesmo serviço, e apresenta várias situações que considera ilegais e exemplos de como "os mecanismos clientelares" e o "comissariado político" se sobrepõem "ao respeito pela diferenciação técnico-científica da profissão médica" e à progressão na carreira médica.

O novo diretor, denuncia o SMZS, estava há cerca de um ano fora do Hospital de Santa Maria em regime de licença sem vencimento e foi "repentinamente integrado no serviço na véspera de ser nomeado".

Enquanto esteve fora também foi contratado para as equipas de urgência do ORL e para fazer no Hospital uma consulta semanal, e fez também em Santa Maria um curso para uma empresa privada fabricante de equipamento médico para estudo da vertigem, que depois vendeu ao Hospital equipamento para o estudo da vertigem, explica-se no comunicado.

Segundo o sindicato, apesar de haver no ORL um médico de topo de carreira, "o único professor catedrático" da especialidade médica no país, a administração do Hospital de Santa Maria nomeou o atual diretor numa "pura atitude de prepotência e de ilegalidade".

Depois, denuncia também a estrutura sindical no comunicado, o ORL vive situações de doentes que passam à frente de outros nas listas de espera, casos anómalos de escalas para o bloco operatório ou "práticas de discriminação ostensiva na formação dos médicos internos, a que se juntam frequentes ameaças de processos disciplinares pelas circunstâncias mais ridículas".

"Não é possível tolerar que serviços públicos de saúde sejam geridos desta forma impune e como se tratassem de feudos de grupos políticos e de parceiros económicos", afirma-se no comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?