Sindicato da PSP pede a ministra para desbloquear salários

"Os polícias não podem continuar com os salários congelados", disse Armando Ferreira, presidente do Sindicato Nacional da Polícia

O Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) pediu esta sexta-feira à ministra da Administração Interna para que descongele as progressões salariais dos polícias, que há cerca de 12 anos estão sem progredir na carreira.

O pedido foi feito durante uma reunião que os dirigentes do SINAPOL mantiveram hoje com a ministra Constança Urbano de Sousa.

"Os polícias não podem continuar com os salários congelados", disse à agência Lusa o presidente do SINAPOL, Armando Ferreira, adiantando que esta situação acontece desde 2005 e abrange cerca de 12 mil polícias.

Neste sentido, o SINAPOL pediu à ministra para que os polícias com progressões salariais congeladas desde outubro de 2005 sejam promovidos na carreira.

Armando Ferreira esclareceu que esta progressão na carreira deve estar relacionada com o tempo de serviço, sublinhando que esta situação tem que estar resolvida até ao fim do ano.

Armando Ferreira considerou que este congelamento está a por "em causa as expectativas de progressão salarial dos polícias", uma vez que esperavam chegar ao fim da carreira remuneratória, mas estão a aposentar-se "sem atingirem o topo da carreira".

Segundo o SINAPOL, esta situação está também "a ter diretas implicações nos valores das aposentações atribuídas aos polícias, ficando muito aquém do valor expectável, pois ao aposentarem-se nos índices remuneratórios do início da carreira, estão a ser sujeitos a baixas reformas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.